Premium Solidariedade é a arma de Francisco para a paz

Paz, paz e paz é o que o Papa Francisco advoga na viagem dos três M, de Moçambique à Maurícia, passando por Madagáscar. A igualdade de oportunidades e a solidariedade fazem parte da receita do Sumo Pontífice, que destacou a alegria dos moçambicanos.

"Não à violência destruidora, sim à paz e à reconciliação!" O Papa Francisco saudou em Maputo, no primeiro de dois dias de visita a Moçambique, o acordo de paz assinado há um mês e defendeu a igualdade de oportunidades e a solidariedade para evitar um regresso à violência.

Na primeira paragem de uma viagem que o levará também às ilhas de Madagáscar e da República da Maurícia, o Papa espera que o "acordo de cessar-fogo definitivo entre irmãos moçambicanos" seja um "marco decisivo". Um acordo de paz foi assinado em 6 de agosto entre o governo de Maputo e a Renamo, o movimento armado que se tornou o principal partido da oposição. A guerra civil terminou há 27 anos, mas a Renamo não chegou a desarmar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Na hora dos lobos

Na ação governativa emergem os sinais de arrogância e de expedita interpretação instrumental das leis. Como se ainda vivêssemos no tempo da maioria absoluta de um primeiro-ministro, que o PS apoiou entusiasticamente, e que hoje - acusado do maior e mais danoso escândalo político do último século - tem como único álibi perante a justiça provar que nunca foi capaz de viver sem o esbulho contumaz do pecúlio da família e dos amigos. Seria de esperar que o PS, por mera prudência estratégica, moderasse a sua ação, observando estritamente o normativo legal.