Portugal tem o segundo IRC mais alto da Europa

As empresas portuguesas só pagam menos do que as congéneres francesas. Nos últimos 18 anos, o país nunca esteve numa posição tão alta na tabela.

Pela primeira vez desde o início do século, Portugal surge no topo da tabela com a taxa de IRC mais elevada dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE). No relatório "Reformas da Política Fiscal 2018", divulgado ontem, a instituição comparou a evolução das taxas de IRC desde o ano 2000 até agora em todos os Estados membros do clube dos países mais desenvolvidos. Mas se selecionarmos apenas os 22 países da União Europeia que fazem parte da OCDE, o resultado é o mesmo.

Se é visível uma tendência em todos os países da OCDE para uma redução das taxas de IRC (mas também de IRS), Portugal aparece como um dos poucos que tiveram um comportamento inverso em 2017 e 2018 na tributação das empresas, ao lado de Letónia, Turquia e Coreia do Sul, que também subiram as taxas do imposto sobre empresas. Portugal subiu de oitavo para segundo lugar. A contribuir para este salto está o aumento da taxa da derrama estadual de 7% para 9% para empresas com lucros anuais acima de 35 milhões de euros, uma proposta apresentada pelo PCP.

"Como é que queremos atrair investimento com estas taxas elevadíssimas de IRC?", questiona Álvaro Santos Pereira

A posição que Portugal ocupa neste ano na tabela da organização sediada em Paris levou o ex-ministro da Economia e atual diretor da OCDE, Álvaro Santos Pereira, a publicar um comentário na rede social Twitter. "Portugal é o segundo país com a taxa de IRC (com sobretaxas) mais elevada da OCDE. Como é que queremos atrair investimento com estas taxas elevadíssimas de IRC? Como podemos competir com países como a Hungria, a Irlanda ou a República Checa com estas taxas?", questiona o ex-titular da Economia do governo de Pedro Passos Coelho.

Nas contas da OCDE apenas entra a taxa legal, não estando calculados valores da taxa efetiva que é paga pelas empresas portuguesas como, por exemplo, benefícios fiscais ou regimes especiais. Mas olhando para os dados disponibilizados pela Autoridade Tributária (AT), é possível perceber que o que as empresas pagam efetivamente fica abaixo do valor da chamada taxa legal. As estatísticas publicadas pela AT vão apenas até 2005.

Nesse ano, por exemplo, a taxa referida pela OCDE era de 27,5%, mas a taxa efetiva foi de apenas 17%, ou seja, uma diferença superior a dez pontos percentuais. Os dados mais recentes disponibilizados pelo fisco são de 2016 e, mais uma vez, a taxa que as empresas pagaram efetivamente ficou muito abaixo da taxa normal: 21,4% face a 29,5%.

Apesar de ser a segunda taxa de IRC mais elevada da OCDE e da Europa, Portugal já teve um valor mais alto. De acordo com os dados divulgados pela organização, no início deste século a taxa de IRC ultrapassava os 35%. A partir de 2001 foi baixando, tendo atingido o valor mais baixo entre 2007 e 2010, mesmo antes do início da crise económica em Portugal e que levou à intervenção externa.

Em 2013, PSD e PS chegaram a acordo para baixar a taxa normal de IRC de 25% para 23%, podendo ir até aos 19%, mas a redução acabaria por cair com a atual direção socialista.

Taxas e receitas de impostos

A taxa nominal de IRC tem sido alvo de mexidas ao longo dos últimos 18 anos, ora para cima ora para baixo. A discussão sobre os efeitos na economia e na receita fiscal nunca chegou a consensos. Se, por um lado, um corte no valor da taxa pode atrair mais investimento por via da competitividade fiscal, por outro, pode fazer baixar a receita do Estado com este imposto direto sobre as empresas.

Os dados disponíveis não permitem tirar conclusões definitivas, tendo em conta que o período em análise é atravessado pelos anos da crise económica e financeira em Portugal entre 2011 e 2015.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.