Premium "Shamima Begum abdicou da nacionalidade britânica quando se juntou ao Estado Islâmico"

Fabrice Balanche, especialista em estudos islâmicos e Médio Oriente, analisa, em entrevista ao DN, a situação na Síria, em guerra há quase oito anos. E onde o Estado Islâmico está encurralado. O académico considera que quando disse que a Europa tem de receber de volta os seus jihadistas, Donald Trump estava "a lembrar aos europeus que têm de carregar a sua quota-parte do fardo [da luta ao terrorismo]".

Especialista em estudos islâmicos e Médio Oriente, Fabrice Balanche é diretor de investigação na Universidade Lyon 2 e professor convidado no The Washington Institute.

Em entrevista ao DN, por e-mail, o académico diz compreender a posição de Trump face à Europa no caso dos combatentes estrangeiros capturados na Síria. Mas também diz perceber a atitude de países como o Reino Unido e a França. O primeiro recusou aceitar de volta a jovem britânica Shamima Begum, que fugiu de casa para se juntar ao Estado Islâmico, tendo dado à luz recentemente num campo sírio o seu terceiro filho. O segundo passou para o Iraque a tarefa de julgar os jihadistas franceses que se juntaram ao Estado Islâmico e foram capturados na Síria.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.