Um terço do crédito à habitação só termina depois do devedor ter 70 anos

Banco de Portugal avisa que baixa taxa de poupança e empréstimos por pagar depois da vida ativa são ameaça à estabilidade financeira.

Os bancos estão a cumprir com os travões ao crédito recomendados pelo Banco de Portugal. Mas o supervisor bancário continua preocupado com o valor dos empréstimos à habitação que se estendem para além da idade ativa dos devedores. E insiste que se caminhe para que, em média, os créditos não ultrapassem um prazo de 30 anos. Antes de Carlos Costa, o governador do Banco de Portugal, ter feito a recomendação à banca, que entrou em vigor no início de julho, existiam entidades que davam crédito a 50 anos.

O Banco de Portugal mostra preocupação pela elevada proporção do crédito à habitação que foi concedida a clientes que terão de o continuar a pagar já depois da vida ativa. Cerca de 35% do valor total do crédito à habitação atual é relativo a contratos em que o cliente do banco terá mais de 70 anos quando o empréstimo terminar. Esse peso sobe para 62% do "stock de crédito à habitação associado a mutuários cuja idade no término do contrato será superior a 65 anos", segundo dados do Relatório de Estabilidade Financeira divulgado nesta quarta-feira.

O supervisor liderado por Carlos Costa salienta que "a baixa taxa de poupança dos particulares constitui uma vulnerabilidade especialmente relevante em Portugal em face do envelhecimento da população e de um sistema público de Segurança Social que tem associado uma expectável redução significativa do rendimento desde o momento da reforma". Esse risco aumenta "num contexto em que as famílias ainda apresentam um endividamento elevado e, sobretudo, com maturidades longas que ultrapassam a vida ativa dos mutuários".

O Banco de Portugal explica que este foi um dos fatores que o levaram a pedir limites aos bancos na concessão de novo crédito. O supervisor explica que antes da entrada em vigor da recomendação algumas instituições praticavam prazos máximos de 50 anos. Pede que até final de 2022 se convirja para uma maturidade média de 30 anos. No entanto, os bancos ainda não tomaram medidas concretas para atingir esse objetivo. Mas as instituições ao deixarem de contratar créditos com maturidade superior a 40 anos, têm a expectativa que tal contribua para que esta convirja para o limite recomendado.

Infografia DN

Bancos cumprem recomendações. Mas guerra nos spreads preocupa

Desde o início de julho que os bancos devem seguir as recomendações definidas pelo Banco de Portugal na concessão de novo crédito à habitação e ao consumo. O supervisor observa que essas regras aparentam estar a ser cumpridas. Mas alertou que os spreads cada vez mais baixos aplicados no crédito, tanto a particulares como a empresas, colocam riscos para os bancos.

"A informação recolhida sugere que a 31 de julho todas as instituições tinham implementado, do ponto de vista operacional, os limites previstos na recomendação nos canais presenciais", refere o Banco de Portugal no Relatório de Estabilidade Financeira. O regulador notou, no entanto, que a "implementação dos limites nos canais digitais de algumas instituições encontrava-se menos desenvolvida, mas as instituições parecem ter adaptado a sua oferta nestes canais aos limites estabelecido".

Cerca de 35% do valor total do crédito à habitação atual é relativo a contratos em que o cliente do banco terá mais de 70 anos quando o empréstimo terminar

O supervisor faz inquéritos regulares à banca. E nota que "a maioria das instituições indicou que os critérios de aprovação no crédito a particulares se tornaram mais restritivos, tanto no crédito à habitação como ao consumo" devido à entrada em vigor das recomendações.

Apesar de os critérios de concessão estarem a ser mais exigentes, o Banco de Portugal mostra-se preocupado com os efeitos que a concorrência nos spreads pode ter nos bancos. "A restritividade de outras condições, como os spreads, permaneceu inalterada ou foi sinalizada como em diminuição, devido às pressões concorrenciais no mercado de crédito." E defende que "neste quadro, a recomendação emitida pelo Banco de Portugal dirigida aos novos contratos de crédito celebrados com consumidores, em vigor desde julho de 2018, tem relevância crucial".

Já no caso do crédito a empresas, o supervisor avisa que "a tentativa de aumento do volume de crédito através da fixação de spreads de taxas de juro que não cobrem o risco associado aos empréstimos, traduzir-se-ão no futuro num maior volume de incumprimento no crédito".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.