Premium "Normalidade? O que é? Penso nisso quando ouço a Francisca chamar-me papá"

Francisca não fala mas percebe o que lhe dizem. Tem 13 anos e perturbação de autismo. O pai conta como foi saber o resultado deste diagnóstico por um médico que não conhecia, na enfermaria do Hospital de São João: "Aquela criança de quatro meses nunca vai ser normal."

"Sabemos que um filho não é aquilo que sonhamos e que não podemos idealizar como um livro que colorimos com as nossas cores favoritas. Quando planeamos a vida com um filho não é uma esperança entrar com ele no hospital com algo que nos fere. A doença coloca a nu toda a nossa fragilidade e é a fragilidade que o mais profundo da nossa humanidade revela."

Quem o escreve é António Filipe Barbosa, um pai de 41 anos que um dia teve de entrar com a filha, de quatro meses, no Hospital São de João, no Porto, de urgência, para fazer uma série de exames. Foram 27 dias, muitas horas nas urgências sentado à espera enquanto a Francisca, hoje com 13 anos, fazia exames acompanhada pela mãe, Ângela. Muitas horas numa enfermaria com quatro camas e quatro cadeiras para cada um dos pais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.