Chiu!

Lembro-me de estar na praia com um grupo de amigos - quando ainda não sabíamos o que era o ozono e ficávamos o dia inteiro a torrar ao sol - e de passarem por nós a mãe e a sobrinha de um deles, que pararam uns minutos a cumprimentar-nos. Enquanto ali estiveram, a miúda, que devia ter no máximo 6 anos, não conseguiu desviar os olhos de um dos rapazes; mas foi só quando a avó lhe voltou a pegar na mão para seguirem caminho que a ouvimos perguntar, num tom levemente chocado, porque estava aquele amigo do tio de bandelete...

A "bandelete" eram os auscultadores de um walkman, um dos primeiros que se viam em Portugal: a novidade que permitia a cada pessoa ouvir a sua música sem a impor às demais e levá-la para todo o lado em cassetes onde cabiam, pelo menos, dois LP. A invenção japonesa - que, contra o cepticismo de muitos, teve um êxito retumbante - foi na verdade o que levou à posterior massificação dos headphones e ao hábito, hoje completamente disseminado, de usar a música como tampão para cortar o contacto com o mundo. Presumo que, de caminho, contribuiu para criar indivíduos bastante solitários e pouco empáticos. Mas isso foram apenas danos colaterais.

Vi há muitos anos um filme em que os três filhos de um casal, quando já não suportavam as discussões violentas dos pais, corriam a mergulhar de mãos dadas num lago, ficando debaixo de água o máximo que aguentavam, aproveitando aquele manto de silêncio que tudo cobria. A música tem, por vezes, o mesmo efeito: no Verão anterior ao divórcio dos meus pais, a minha cápsula era um Volkswagen 1300 creme onde me sentava a ouvir música e a lamber feridas. Por sorte, alguém deu por isso e foi lá buscar-me. É também para poder estar assim atenta que dispenso o uso de auscultadores.

Li algures que, de tanto viverem de ouvidos tapados, há pessoas que já não reconhecem determinados sons e que isso as torna imensamente vulneráveis (muitos dos que praticam corrida nas cidades pertencem a este grupo). Mas eu, como tantas outras pessoas de orelha disponível, sou castigada com ruídos desagradáveis a toda a hora: alarmes, toques de telemóvel, televisores nos cafés, altifalantes que fazem tremer a rua inteira; e, se entro numa loja, o mais provável é não escapar a uma música que não pedi e está sempre calamitosamente aos berros. Comer e calar. Será por isso que o primeiro restaurante debaixo de água, que abriu recentemente na Noruega, tem já uma lista de espera de sete mil pessoas? Adeus, futuro.

Editora e escritora. Escreve de acordo com a antiga ortografia.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.