Premium Os fantasmas da avenida

Comecei a acreditar em fantasmas quando me mudei para Lisboa, até esse momento só os tinha encontrado em livros e na televisão, agora vejo-os todos os dias e até já conversei com alguns.

Os meus fantasmas habitam a Avenida Almirante Reis, dormem em caixas de cartão ou embrulhados em cobertores sujos, alguns pedem, alguns bebem ou drogam-se, alguns recebem o rendimento social de inserção. Há fantasmas portugueses e estrangeiros, homens e mulheres, velhos e novos. Alguns tiraram licenciaturas e tinham casa e trabalho estável; foi a crise, foi o álcool, foi uma desgraça que aconteceu. Os fantasmas estão lá todos os dias e é preciso muito esforço para não acreditar neles - olhar para o lado, olhar para o chão, e, sobretudo, evitar a todo o custo fixar-lhes os olhos que parecem mesmo de gente como nós.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.