CP investe metade do previsto em comboios

Transportes. Plano do ano passado previa aquisição de 35 unidades, o deste ano contempla 22 veículos, que só chegam em 2023.

Os portugueses vão ter de esperar cinco anos para ver novos comboios. Só a partir de 2023 é que a CP vai começar a receber os 22 novos veículos para o serviço regional, que irão custar um total de 170 milhões de euros, de acordo com o plano ontem anunciado no Parlamento e que foi apresentado ao governo no final de julho. No entanto, o plano que deverá ser validado até final do ano apenas contempla metade do investimento que a empresa tinha previsto inicialmente em fevereiro do ano passado. Até chegarem os novos comboios, a CP vai reforçar o aluguer a Espanha, adiantou o líder da empresa, Carlos Gomes Nogueira.

A empresa pública tinha proposto, no ano passado, a compra de 35 comboios, num investimento total de 339 milhões de euros. Vinte unidades seriam híbridas - para poderem circular nas linhas eletrificadas e não eletrificadas -, os restantes 15 veículos seriam elétricos, de acordo com informação do setor a que o DN/Dinheiro Vivo teve acesso. Cinco das 20 unidades híbridas iriam fazer as ligações Lisboa-Madrid e Porto-Madrid; as restantes unidades tinham como destino o serviço regional. Das 15 unidades elétricas, cinco seriam utilizadas no serviço de longo curso nacional; as restantes seriam divididas entre o troço de Intercidades Lisboa-Évora e o serviço regional, incluindo as linhas do Douro e do Oeste.

O plano apresentado ontem pela empresa é mais modesto: os 22 novos comboios apenas servirão para o serviço regional e começarão a chegar em 2023, de acordo com o anúncio feito por Carlos Gomes Nogueira na comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas. Mas nem todos os comboios serão iguais: chegarão 12 unidades híbridas e dez unidades elétricas. A empresa já está em diálogo com as maiores fabricantes de comboios da Europa para garantir a entrega desta série daqui a cinco anos.

A CP, até 2023, apenas poderá contar com o reforço do aluguer de material a Espanha, graças à parceria com a congénere Renfe. A empresa vai receber comboios elétricos espanhóis de alta velocidade para complementar os serviços de Alfa Pendular e Intercidades. A primeira unidade elétrica chegará no próximo ano; mais seis veículos deste género virão em 2020. Estes comboios têm capacidade para circular a 250 km/h, mas a infraestrutura ferroviária portuguesa, atualmente, apenas permite que este material atinja os 220 km/h.

O acordo ibérico prevê ainda o aluguer de mais quatro unidades a gasóleo; a primeira chegará às linhas portuguesas a partir do início do próximo ano e as restantes três começarão a circular ao longo de 2019. Apenas começarão a circular depois de serem feitas "grandes reparações", conforme adiantou o líder da CP. Os comboios a diesel espanhóis funcionam atualmente nas linhas do Douro e do Minho e realizam ainda o comboio Celta, que liga Porto a Vigo. A partir do início de novembro também serão utilizados na Linha do Oeste, para completar as ​​​​​​​450 UDD compradas em 1965 e que também transportam os passageiros da Linha do Algarve e que ainda fazem a viagem entre Casa Branca e Beja, a parte não eletrificada da Linha do Alentejo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.