CP investe metade do previsto em comboios

Transportes. Plano do ano passado previa aquisição de 35 unidades, o deste ano contempla 22 veículos, que só chegam em 2023.

Os portugueses vão ter de esperar cinco anos para ver novos comboios. Só a partir de 2023 é que a CP vai começar a receber os 22 novos veículos para o serviço regional, que irão custar um total de 170 milhões de euros, de acordo com o plano ontem anunciado no Parlamento e que foi apresentado ao governo no final de julho. No entanto, o plano que deverá ser validado até final do ano apenas contempla metade do investimento que a empresa tinha previsto inicialmente em fevereiro do ano passado. Até chegarem os novos comboios, a CP vai reforçar o aluguer a Espanha, adiantou o líder da empresa, Carlos Gomes Nogueira.

A empresa pública tinha proposto, no ano passado, a compra de 35 comboios, num investimento total de 339 milhões de euros. Vinte unidades seriam híbridas - para poderem circular nas linhas eletrificadas e não eletrificadas -, os restantes 15 veículos seriam elétricos, de acordo com informação do setor a que o DN/Dinheiro Vivo teve acesso. Cinco das 20 unidades híbridas iriam fazer as ligações Lisboa-Madrid e Porto-Madrid; as restantes unidades tinham como destino o serviço regional. Das 15 unidades elétricas, cinco seriam utilizadas no serviço de longo curso nacional; as restantes seriam divididas entre o troço de Intercidades Lisboa-Évora e o serviço regional, incluindo as linhas do Douro e do Oeste.

O plano apresentado ontem pela empresa é mais modesto: os 22 novos comboios apenas servirão para o serviço regional e começarão a chegar em 2023, de acordo com o anúncio feito por Carlos Gomes Nogueira na comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas. Mas nem todos os comboios serão iguais: chegarão 12 unidades híbridas e dez unidades elétricas. A empresa já está em diálogo com as maiores fabricantes de comboios da Europa para garantir a entrega desta série daqui a cinco anos.

A CP, até 2023, apenas poderá contar com o reforço do aluguer de material a Espanha, graças à parceria com a congénere Renfe. A empresa vai receber comboios elétricos espanhóis de alta velocidade para complementar os serviços de Alfa Pendular e Intercidades. A primeira unidade elétrica chegará no próximo ano; mais seis veículos deste género virão em 2020. Estes comboios têm capacidade para circular a 250 km/h, mas a infraestrutura ferroviária portuguesa, atualmente, apenas permite que este material atinja os 220 km/h.

O acordo ibérico prevê ainda o aluguer de mais quatro unidades a gasóleo; a primeira chegará às linhas portuguesas a partir do início do próximo ano e as restantes três começarão a circular ao longo de 2019. Apenas começarão a circular depois de serem feitas "grandes reparações", conforme adiantou o líder da CP. Os comboios a diesel espanhóis funcionam atualmente nas linhas do Douro e do Minho e realizam ainda o comboio Celta, que liga Porto a Vigo. A partir do início de novembro também serão utilizados na Linha do Oeste, para completar as ​​​​​​​450 UDD compradas em 1965 e que também transportam os passageiros da Linha do Algarve e que ainda fazem a viagem entre Casa Branca e Beja, a parte não eletrificada da Linha do Alentejo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.