Exclusivo Marchar em Berlim contra as contrariedades

Além das ausências de vários atletas, outros não estão nas melhores condições físicas. Inês Henriques é a maior esperança nos 50 quilómetros marcha.

Os europeus de atletismo começam amanhã e decorrem até 12 de agosto. Mas o início das contrariedades para a seleção portuguesa foi bem antes: a dupla medalhada em 2016 Dulce Félix está em licença de maternidade, Jéssica Augusto (bronze) está lesionada, as medalhas de ouro de há dois anos, Patrícia Mamona e Sara Moreira, viram a preparação afetada por problemas físicos. Nelson Évora também enfrentou dificuldades nas últimas semanas. Tsanko Arnaudov (bronze no disco) esteve lesionado e "é uma incógnita". Em Berlim, a campeã do Mundo Inês Henriques vai marchar como favorita nos 50 quilómetros, que se estreiam no campeonato continental.

A delegação portuguesa, composta por 35 atletas, começa hoje a viajar para a capital alemã, mas leva muitas dúvidas. "Em ano de Jogos Olímpicos, desde que em 2012 os Europeus passaram a ser de dois em dois anos, alguns atletas não vão a estes campeonatos. Mas não é o caso deste ano. Além disso, há as contrariedades com a Dulce Félix, a Jéssica Augusto e as dúvidas sobre a forma de Patrícia Mamona, Sara Moreira, Tsanko Arnaudov e Nelson Évora que geram muitas incógnitas", observa Manuel Arons de Carvalho, jornalista especialista em atletismo há cerca de meio século.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG