Extrema-direita na Europa: a tua é melhor do que a minha?

Presidente da Comissão Europeia diz que extrema-direita austríaca não devia estar no mesmo grupo político europeu do partido de Le Pen (França) e do de Salvini (Itália). Teste das eleições europeias é em maio de 2019.

Já ninguém parece ter dúvidas de que, depois dos ganhos obtidos a nível nacional nos vários países da União Europeia (UE), a próxima batalha da extrema-direita para aumentar a sua influência será a das eleições europeias de 2019 (previstas para entre 23 e 26 de maio, consoante os Estados).

Muitos têm feito soar alarmes sobre a anunciada intenção de Steve Bannon, ex-conselheiro de Donald Trump, estabelecer um think tank no coração da Europa, mais propriamente Bruxelas, para apoiar tudo o que são movimentos ou partidos de extrema-direita ou populistas de direita.

The Movement, O Movimento, será o nome da dita organização e pretende rivalizar com a Open Society Foundations, do filantropo George Soros, que durante décadas tem promovido a democracia liberal em território europeu. Isto numa altura em que líderes de alguns países da UE, como o húngaro Viktor Órban, defendem abertamente uma democracia iliberal, o regresso dos Estados nação que tenham por base o cristianismo. Apenas e só. Porque sim.

O agitador Steve Bannon

Áustria de 2000 vs. Áustria de 2018

A coligação que hoje governa a Áustria é a mesma que, há 18 anos, foi posta de lado pelos restantes parceiros da UE. Estava-se na segunda presidência portuguesa da UE. Esta tinha na altura 15 Estados membros e, numa decisão inédita desde a fundação do clube europeu, 14 decidiram isolar um e cortar todos os contactos. "A situação é sem dúvida diferente da de 2000", escreveu no Twitter, em dezembro, Pierre Moscovici, comissário dos Assuntos Económicos e ex-ministro das Finanças francês. Então, mas afinal, há extrema-direita boa e má, populistas melhores e piores, consoante o timing, o país, os interesses do momento?

"Não está no interesse da Comissão neste momento tomar como alvo o FPÖ. Este partido é essencialmente a garantia da maioria do governo de Kurz, que pertence ao Partido Popular Europeu (PPE). A Áustria está agora na presidência da UE. Já vimos este tipo de tratamento diferenciado em relação ao governo de Órban e ao governo conservador da Polónia, ambos também parte do PPE. Os populistas de direita parecem beneficiar da associação à maior família política europeia. A juntar a isso, é preciso considerar que, a nível nacional, as fronteiras ideológicas entre a extrema-direita e os populistas do PPE são cada vez mais difíceis de estabelecer. Os primeiros tentam levar a sua mensagem até ao mainstream e mudam o discurso público. Os últimos tentam não perder mais votos para os radicais de direita", diz ao DN o analista italiano Marco Giuli, do think tank European Policy Centre.

Salvini ou o rei dos populistas

Apesar da subida da extrema-direita, em países como a Alemanha, não são os populistas de direita que, de facto, dominam a agenda mediática atualmente? Veja-se o caso de Salvini e das suas políticas anti-imigração, em Itália, que vão ao ponto de abandonar barcos cheios de migrantes e refugiados à deriva no Mediterrâneo sem os deixar atracar nas costas italianas. E lançando-se numa espécie de jogo do empurra com os países vizinhos nesta questão.

"Há elementos muito fortes de oportunismo no que toca à Liga de Salvini. O partido está a fazer da xenofobia o centro da política que tem para oferecer - até agora com grandes ganhos. As sondagens dão a Liga como primeiro partido em Itália, com cerca de 30% das intenções de voto. A mudança na orientação da Liga surgiu com o facto de o seu antigo aliado Força Itália [do ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi] ter demonstrado abertura para uma aliança centrista com o Partido Democrático [do ex-primeiro-ministro Matteo Renzi]. A Liga reagiu reforçando a sua identidade extremista de direita e abriu-se a outras opções - algo que se materializou na atual coligação com o Movimento 5 Estrelas. Até agora isso tem resultado", constata aquele analista do European Policy Centre.

Ver a extrema-direita e o populismo de direita na Europa, como um todo, é um exercício difícil de fazer, uma vez que há algumas divisões internas importantes. Um exemplo disso é a Finlândia, onde outrora o ex-líder dos Finlandeses Verdadeiros Timo Soini chegou a pôr em perigo a aprovação do resgate para Portugal. Nas legislativas de 2015 o partido, entretanto renomeado apenas de Finlandeses, elegeu 38 deputados. Em 2017 houve uma cisão. E hoje conta apenas com 17 eleitos na sua bancada parlamentar.

Le Pen e o tormento de Merkel

Sempre que se fala de extrema-direita na UE, o apelido Le Pen é incontornável. Desgastado por lutas entre pai e filha, o partido de Marine mudou de nome: de Frente Nacional passou a União Nacional. A mulher que em 2017 disputou com Emmanuel Macron a segunda volta das presidenciais deixou entretanto o lugar de eurodeputada. Hoje é um dos seis deputados do partido com assento no Parlamento francês. Entretanto viu um dos seus discípulos, Florian Philippot, sair e criar Os Patriotas. "Não é ainda claro até que ponto esse novo partido pode prejudicar de alguma forma Marine Le Pen", afirma Marco Giuli.

No outro membro do eixo que sempre sustentou a UE, a Alemanha, Angela Merkel vê-se atormentada pela subida da AfD. A liderar uma frágil coligação CDU/CSU-SPD, a chanceler tem sido fortemente pressionada pelo ministro do Interior, Horst Seehofer, a adotar medidas mais duras em relação a migrantes e refugiados. O líder da CSU, que ameaçou mesmo demitir-se, teme o resultado da AfD nas eleições regionais de 14 de outubro na Baviera. "A jogada de Seehofer foi vista como sendo motivada pelo ego e procurando o caos político. Mas fez muito pouco para travar a subida da AfD", refere aquele analista. No meio destes cenários, Espanha e Portugal são ilhas no meio do apoio à extrema-direita. Em março, no Parlamento Europeu, António Costa disse, num discurso sobre o futuro da Europa: "A globalização não se enfrenta fechando fronteiras ou erigindo muros, retrocedendo numa lógica protecionista ou deriva xenófoba."

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.