Premium O que Boris Johnson propôs e quais foram as reações?

O que propôs Boris Johnson para o Brexit e o backstop irlandês e quais as reações, entre os ingleses e na UE. Houve críticas, sim, mas muitas vozes admitiram, embora a custo, que há uma base de trabalho. E alguns críticos dizem que as propostas são toleráveis. E isso é novo.

A menos de um mês para a data prevista do Brexit, 31 de outubro, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, apresentou as suas tão faladas propostas alternativas ao backstop, ou seja, mecanismo de salvaguarda destinado a evitar o regresso de uma fronteira física entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda após a saída do Reino Unido da União Europeia (conforme foi decidido no referendo de 23 de junho de 2016 pela maioria - 52% - dos eleitores britânicos).

O backstop sempre foi a razão pela qual o acordo do Brexit negociado por Theresa May com a UE27 não passou na Câmara dos Comuns. Brexiteers radicais e Partido Unionista Democrático da Irlanda do Norte eram dos maiores críticos. E, como o Partido Conservador não tem maioria - agora com Boris Johnson perdeu-a de vez -, o referido acordo três vezes foi levado a debate e a votação e três vezes acabou chumbado pelos deputados britânicos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Vida e Futuro

Formar médicos no privado? Nem a Católica passa no exame

Abertura de um novo curso de Medicina numa instituição superior privada volta a ser chumbada, mantendo o ensino restrito a sete universidades públicas que neste ano abriram 1441 vagas. O país está a formar médicos suficientes ou o número tem de aumentar? Ordem diz que não há falta de médicos, governo sustenta que "há necessidade de formação de um maior número" de profissionais.