Num ano houve menos três mil casas arrendadas em Lisboa

Os preços aumentam e a oferta escasseia. Aceder ao mercado de arrendamento em Portugal é cada vez mais difícil para as famílias. O número de casas arrendadas está a cair em todo o país.

Numa das plataformas nacionais de imobiliário com mais anúncios, há cerca de seis mil ofertas de casas para arrendar. A mais barata é um T1 de 30 metros quadrados em Seia e custa 175 euros por mês; a mais cara é um T5+5 em Lisboa e tem uma renda mensal de 18 mil euros. Ambas estão longe dos valores medianos do arrendamento praticados Portugal, que ronda os cinco euros por metro quadrado. Em 12 meses, os preços registaram um aumento de 9,2%; em relação a 2017, a subida já chega quase a 14%.

A acompanhar a escalada dos preços está uma queda proporcional do número de novos contratos. No período de 12 meses que terminou em junho, foram assinados em Portugal cerca de 71 mil contratos de arrendamento, menos 8300 do que há um ano. Face a 2017, ano ao qual remontam os primeiros dados do Instituto Nacional de Estatística relativos às novas rendas, a diferença é de 13 mil arrendamentos a menos.

Só na Área Metropolitana de Lisboa (AML) foram assinados menos 3000 contratos de arrendamento até ao final do primeiro semestre de 2019, em comparação com o período homólogo. Em média, são arrendadas na região de Lisboa 64 casas por dia; em 2017, a média diária ascendia a 78 novas rendas.

Tal como não escaparam à subida dos preços, também nenhum dos 18 municípios da AML foi poupado à queda do número de arrendamentos. Lisboa é o município com mais contratos, cerca de 6200, mas num ano o montante encolheu 5,7%. Os municípios com a maior variação homóloga foram Sesimbra, Montijo, Mafra e Alcochete, todos com quedas superiores a 20%.

Nas freguesias da capital a tendência é mais notória em Santa Clara e em Marvila, onde o número de arrendamentos caiu perto de 30%. Há, no entanto, exceções, ainda que simbólicas. Nas Avenidas Novas, Campolide, Carnide, Benfica, Estrela e Misericórdia foram registados mais contratos novos face ao ano passado.

No que toca ao preço do metro quadrado, o valor mediano das rendas continua a bater recordes na capital, atingindo já os 11,71 euros. Com base nestes valores, uma casa de 50 metros quadrados terá uma renda mediana de 585 euros na cidade de Lisboa.

Nenhum dos 18 municípios da Área Metropolitana de Lisboa foi poupado à queda do número de arrendamentos

As freguesias de Santo António e Misericórdia disputam, taco a taco, o título do metro quadrado mais caro do país. Santo António mantém-se à frente com 14,12 euros, mais 7,8% face ao ano anterior. A Misericórdia surge colada à freguesia vizinha, com 14,03 euros, mas teve um aumento de 13,8% face ao primeiro semestre de 2018.

Os maiores aumentos homólogos, acima de 20%, registaram-se em Carnide e nas Avenidas Novas. Abaixo do valor mediano do município estão as freguesias de Santa Clara e de Marvila, apesar de terem sofrido aumentos homólogos superiores a 10%.

Rendas na Foz custam o dobro da média nacional

O Porto é um dos municípios onde arrendar casa custa cada vez mais às famílias. Só na união de freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde, os preços aumentaram 25% num ano. O metro quadrado na freguesia mais cara do Porto já custa 9,62 euros, quase o dobro do valor mediano registado a nível nacional.

Mas não é só na Foz que os preços das novas rendas estão a subir. Em todas as freguesias do Porto o valor dos arrendamentos aumentou mais de 12% até ao final de junho. A freguesia mais acessível continua a ser Campanhã. Aqui, arrendar uma casa de cem metros quadrados custa cerca de 684 euros, mais 17% face ao que sucedia há um ano. No conjunto do município, a subida dos preços ultrapassou os 15%.

A escalada das rendas estende-se aos concelhos vizinhos. No período em análise, Matosinhos foi o terceiro concelho do país onde o valor dos novos contratos de arrendamento mais subiu. Ali, o metro quadrado já custa 7,25 euros. Entre os municípios com mais de cem mil habitantes que registaram as subidas de preços mais acentuadas, o INE destaca ainda Vila Nova de Gaia, Gondomar, Maia e Santa Maria da Feira.

A nível nacional, a maior variação de preços no espaço de 12 meses teve lugar em Braga, onde as rendas ficaram 16% mais caras.

Exclusivos