Premium Futebol. Muito jogo falado e poucos praticantes no relvado são um problema para Portugal

Crescimento de 28,8% desde 2012 é insuficiente para chegar ao rácio de referência (1,9% para 3%) num país em que todos os dias há programas nos quais se discute o jogo preferido da nação

O ritmo de criação de novos programas televisivos em que se discute se o cotovelo está fora-de-jogo aumentou brutalmente em Portugal. Há um todos os dias nos diferentes canais, em que comentadores afetos aos três grandes se multiplicam e debatem todas as incidências. Do que se passa dentro e fora dos campos. No relvado, o cenário é mais negro. O número de praticantes aumentou 28,8% desde 2012, mas o nosso país segue na cauda da Europa, com um rácio de 1,9% de federados do futebol, longe dos 3% de referência definidos pela UEFA.

Números preocupantes quando comparados com outros países europeus. A Bélgica, por exemplo, concentra-se mais no relvado: com praticamente a mesma população (10,5 milhões para 10,4 de Portugal), 49 em cada mil belgas praticam futebol (contra 19/1.000 em Portugal). Apesar da subida, a FPF fala num problema que "continua a existir", que no caso português é preocupante - 1,9% para os 3% do valor de referência da UEFA. Olhemos para os números entre 2012 e 2018: "Só para os federados do futebol, o número de praticantes aumentou 16,3%; nos federados do futsal, o número subiu para 28,1%; o total do universo de praticantes federados aumentou 28,8%, diz fonte da FPF, referindo-se à subida no futebol e futsal e à inclusão dos praticantes de recreação e lazer na federação (em 2012 não eram incluídos nas contas).

Ler mais

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG