Premium Nobel de Saramago: comemorações tardam mas parece que não falham

O editor de José Saramago acha que os 20 anos do Nobel da Literatura estão a ser mal comemorados. O Ministério da Cultura não pensa o mesmo, nem a APEL. Entretanto, os leitores vão poder ler um inédito, o 6º Caderno de Lanzarote.

A polémica em torno da ausência de comemorações oficiais e significativas nos 20 anos sobre o anúncio do Prémio Nobel da Literatura a José Saramago está a subir de tom desde que ontem, durante a revelação do inédito do escritor a ser publicado a 8 de outubro - data em que se soube da decisão da Academia Sueca - o atual editor da obra, Manuel Alberto Valente, questionou as autoridades oficiais portuguesas para o descaso que considera estar a verificar-se.

Para Valente em causa está principalmente o Ministério da Cultura, contrapondo que "ironicamente estamos num ano em que não vai haver Nobel e é a melhor razão para se comemorar José Saramago". Acrescentou: "Não tenho conhecimento de que esteja preparada uma celebração nacional... Pode ser que sim, mas a existir está em segredo."

Até 2020, garante o ministro da Cultura, "estão programadas diversas iniciativas de homenagem ao escritor José Saramago, dinamizadas pelo Ministério da Cultura, não só em Portugal, mas também no palco internacional"

Manuel Alberto Valente recordou que esse esquecimento já se verificou na Feira do Livro de Lisboa, responsabilizando a APEL, e parece que se "irá repetir na Feira do Livro de Frankfurt", apesar de referir desde já que a Porto Editora pretende assinalar a data na feira alemã no seu espaço e que em data próxima será divulgado o programa com que a atual editora de José Saramago irá celebrar os 20 anos sobre o Nobel da Literatura.

Quanto a Pilar del Río, ao ser questionada pela ausência de eventos oficiais nestas celebrações, a presidenta da Fundação José Saramago optou por elencar vários eventos promovidos pela Fundação a nível nacional e internacional.

Sobre o alegado esquecimento oficial, o responsável da APEL, João Amaral, confirmou ao DN que tal não acontecerá em Frankfurt: "A APEL vai ter o pavilhão dos editores portugueses dominado por grandes imagens de José Saramago em três paredes e exposições fotográficas e, mais do que isso, tem apoiado quase todas as iniciativas da atual editora em torno desta data". Quanto à crise que aconteceu na Feira do Livro de Lisboa preferiu não comentar, dando a entender que não cabe à APEL substituir-se a outras associações responsáveis por essa iniciativa.

A resposta do Ministério da Cultura é a de que até 2020 "estão programadas diversas iniciativas de homenagem ao escritor José Saramago, dinamizadas pelo Ministério da Cultura, não só em Portugal, mas também no palco internacional". O Ministério, no entanto, admite ao DN que esteja a "ser preparada uma grande homenagem nacional", mas nada mais acrescenta.

Esclarece o Ministério que "um dos objetivos estratégicos prioritários do Ministério para a área do livro em 2018 é a Feira Internacional do Livro de Guadalajara, na qual Portugal se apresenta como país convidado de honra" e que nesse âmbito "serão realizadas na programação prevista homenagens ao escritor", tal como garante que José Saramago será "igualmente homenageado na Feira do Livro de Frankfurt" pois, acrescenta, é "o nosso único Nobel da Literatura".

Entre as iniciativas que o Ministério da Cultura destaca é a que se vai realizar na Biblioteca Nacional de Portugal, que tem programada uma mostra que estará entre dezembro de 2018 a janeiro 2020 de originais autógrafos existentes no espólio que Saramago depositou na instituição, bem como em outras bibliotecas públicas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)