Emigração de médicos vai subir para níveis do tempo da crise

Em meio ano, saíram quase tantos médicos do país como em todo o ano de 2017, a maioria ainda sem uma especialidade. Ordem avisa que a falta de vagas para internato deve fazer aumentar esse número para valores do tempo da crise.


A emigração de médicos voltou a aumentar em 2018 depois de ter descido desde o início da legislatura e ameaça, nos próximos anos, ganhar a mesma dimensão que teve nos anos da crise económica. Em meio ano, saíram quase tantos médicos do país como em todo o ano passado, mas agora por razões diferentes das do tempo da troika: se na primeira metade da década, procuravam principalmente melhores salários, agora a maioria dos casos diz respeito a jovens profissionais sem lugar para internato, que procuram tirar uma especialidade no estrangeiro.

Os dados da ordem não deixam margem para dúvidas: 63% dos 130 médicos que até 30 de junho pediram a declaração para poderem ir para o estrangeiro (em todo o ano passado foram 182 e em 2016 foram 198) não estão inscritos em qualquer especialidade; e 60% do total têm entre 25 e 34 anos. Uma tendência que vai agravar-se nos próximos anos, já que desde 2015 não se conseguem garantir vagas de internato para todos os alunos que terminam o ano comum, que se segue ao final do curso.

63% dos 130 médicos que até 30 de junho pediram a declaração para poderem ir para o estrangeiro não estão inscritos em qualquer especialidade; e 60% do total têm entre 25 e 34 anos

Alguns dos principais responsáveis neste setor, que nos últimos anos acompanharam de perto a evolução das capacidades formativas nos hospitais, estão de acordo: o país vai voltar a níveis de emigração médica semelhantes aos do tempo da troika - em 2014, último ano da assistência financeira, 366 médicos pediram os papéis para poderem exercer no estrangeiro e em 2015 foram ainda mais, 475. "A vaga tem de facto tendência para ser semelhante à do período da troika, mas agora por razões diferentes, na altura partiam em busca de melhores condições de trabalho e melhores salários, agora procuram lugar para tirar especialidade", explica Edson Oliveira, que durante três anos foi o responsável da Ordem dos Médicos pela área do internato médico.

Só neste ano, cerca de 700 médicos terão ficado sem vaga para tirar uma especialidade, número semelhante ao de 2017 e que pode ser maior ainda no futuro próximo, alertam os profissionais. À falta de renovação dos quadros, envelhecidos e nos quais não entram recém-especialistas em número suficiente, junta-se a saída para o privado da faixa entre os 35 e os 50 anos para justificar a diminuição da formação nos serviços. "Se combinarmos o número de pessoas que vai para o setor privado em exclusivo e o de médicos que preferem emigrar, o número continua a aumentar", aponta o bastonário dos médicos em entrevista ao DN. "Na emigração houve um decréscimo no ano passado, mas agora está a aumentar outra vez, e os dados da emigração deste ano provam isso mesmo, enquanto o de profissionais que saem para o privado tem vindo sempre a aumentar. De tal forma que o número de médicos que trabalham apenas no privado anda próximo dos 15 mil", afirma Miguel Guimarães, que entende que esta taxa de abandono do Serviço Nacional de Saúde se deve à falta de condições do próprio SNS.

Será difícil resgatá-los, por duas razões: primeiro porque estão numa fase da vida em que constituem família nos países para onde emigram; por outra, pela competição salarial nesses países, que oferecem melhores condições

E quem deixa o país para tirar a especialidade no estrangeiro, ainda numa idade em que não tem família formada, dificilmente regressa a Portugal no final da formação, considera Catarina Perry da Câmara, coordenadora do Conselho Nacional do Médico Interno. Ideia partilhada por Edson Oliveira. "Será difícil resgatá-los, por duas razões: primeiro porque estão numa fase da vida em que constituem família nos países para onde emigram; por outra, pela competição salarial nesses países, que oferecem melhores condições."

Médicos pedem concursos e menos vagas

É um círculo vicioso: com o aumento do número de médicos sem especialidade e a saída de especialistas do sistema público perde-se a capacidade formativa e os concursos não compensam em número de entradas porque demoram meses a arrancar - neste ano foram cerca de três meses, para quem acabou internato em abril, mas no ano passado foram nove - "e os recém-especialistas acabam por sair para o privado ou para o estrangeiro", acrescentam tanto Miguel Guimarães como Edson Oliveira.

As soluções consensuais entre os dirigentes ouvidos pelo DN passam pela abertura rápida de concursos depois de concluído o internato e a redução de alunos nos cursos de Medicina. "Mas também pela criação de condições dentro do SNS para evitar a saída de especialistas", defende Catarina Perry da Câmara. "E quando falo em condições não me refiro a questões de carreira, que também seriam importantes, mas os especialistas nem têm tempo para dar formação. A nova lei do internato prevê até três horas semanais para funções de formação, mas na prática ninguém tem tempo para formar um interno."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.