Eleições mais europeias? Não, obrigado

A ideia de que a solução para a enorme taxa de abstenção nas eleições para o Parlamento Europeu é torná-las a eleição da Comissão Europeia é um disparate perigoso que anda a querer fazer caminho.

Os europeus andam a votar cada vez menos nas europeias. Em 2014, em Portugal votaram pouco mais de 33% dos que poderiam votar. Uma coisa que se repete pelos restantes Estados membros fora. As explicações, entre académicos e políticos, são várias, mas não parece muito realista querer atribuir uma razão comum às motivações de quase 70% dos eleitores. No limite, porém, há uma mais relevante (e com consequências perigosas), que é a que está em causa na ideia de que das eleições europeias devia resultar um governo da Europa, com legitimidade democrática direta. Mesmo que resolvesse o problema da abstenção, criava outros, muito maiores.

A Comissão Europeia é composta por 27 comissários, por norma próximos do respetivo governo, que os designa. O que significa que na Comissão se sentam liberais, populares, socialistas e conservadores. E, se as últimas eleições tivessem sido depois das legislativas gregas, até o Syriza lá estaria. Ou seja, a Comissão Europeia é uma enorme coligação informal que obriga a negociação e a consensualização entre os seus membros. Depois de a Comissão propor, o Parlamento e o Conselho (que é, também, uma salada de frutas ideológica onde estão todos os partidos que governam nos vários Estados membros) vão ter de chegar a acordo entre si (porque a Comissão propõe mas quem aprova é o Parlamento e o Conselho. Ou seja, e é este o ponto, a política europeia e o processo legislativo europeu exigem que uma multidão de partidos dos 28 Estados membros vá procurando acordos e consensos, até se chegar a uma diretiva ou regulamento. Isto, obviamente, é pouco excitante. A política confrontacional, com governo e oposição a digladiarem-se constantemente, é mais mobilizadora. Mas é, também, mais divisiva. Necessariamente. A União Europeia é feita de Estados que têm histórias de confronto, de partidos que, mesmo pertencendo à mesma família política, são diferentes mais a norte ou a sul. Querer submeter todos ao governo resultante de uma eleição seria uma boa ideia democrática, se este contexto não existisse.

O poder do Conselho é a oportunidade de temperar as propostas da Comissão com o realismo de quem está a governar em cada um dos Estados membros. O poder do Parlamento é a oportunidade de temperar o mesmo processo com a exposição direta aos eleitores, mitigada pela necessidade de compromisso entre deputados de norte e sul, periferia e centro da Europa, esquerda e direita, e por aí fora.

O resultado disto tudo é que as políticas europeias nunca são as propostas da Comissão (já de si um exercício de consensualização) mas sim o resultado de um longo processo negocial. Menos transparente do que o puro debate parlamentar (igual ao que se passa no interior dos governos), mas mais aceitável por todos. Querer que a Comissão passe a ser um governo da Europa, com maioria e oposição no Parlamento, vai servir para aprofundar a distância entre uns europeus e outros. Dizer que só isso é democracia, e que isto - a consensualização - não é, é um erro teórico e uma ideia que promete dar mau resultado. O consenso é uma maçada e maçador, mas mantém junto o que é muito diferente. E esse é que é o grande mérito da Europa.

Consultor em assuntos europeus

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".