Eleições mais europeias? Não, obrigado

A ideia de que a solução para a enorme taxa de abstenção nas eleições para o Parlamento Europeu é torná-las a eleição da Comissão Europeia é um disparate perigoso que anda a querer fazer caminho.

Os europeus andam a votar cada vez menos nas europeias. Em 2014, em Portugal votaram pouco mais de 33% dos que poderiam votar. Uma coisa que se repete pelos restantes Estados membros fora. As explicações, entre académicos e políticos, são várias, mas não parece muito realista querer atribuir uma razão comum às motivações de quase 70% dos eleitores. No limite, porém, há uma mais relevante (e com consequências perigosas), que é a que está em causa na ideia de que das eleições europeias devia resultar um governo da Europa, com legitimidade democrática direta. Mesmo que resolvesse o problema da abstenção, criava outros, muito maiores.

A Comissão Europeia é composta por 27 comissários, por norma próximos do respetivo governo, que os designa. O que significa que na Comissão se sentam liberais, populares, socialistas e conservadores. E, se as últimas eleições tivessem sido depois das legislativas gregas, até o Syriza lá estaria. Ou seja, a Comissão Europeia é uma enorme coligação informal que obriga a negociação e a consensualização entre os seus membros. Depois de a Comissão propor, o Parlamento e o Conselho (que é, também, uma salada de frutas ideológica onde estão todos os partidos que governam nos vários Estados membros) vão ter de chegar a acordo entre si (porque a Comissão propõe mas quem aprova é o Parlamento e o Conselho. Ou seja, e é este o ponto, a política europeia e o processo legislativo europeu exigem que uma multidão de partidos dos 28 Estados membros vá procurando acordos e consensos, até se chegar a uma diretiva ou regulamento. Isto, obviamente, é pouco excitante. A política confrontacional, com governo e oposição a digladiarem-se constantemente, é mais mobilizadora. Mas é, também, mais divisiva. Necessariamente. A União Europeia é feita de Estados que têm histórias de confronto, de partidos que, mesmo pertencendo à mesma família política, são diferentes mais a norte ou a sul. Querer submeter todos ao governo resultante de uma eleição seria uma boa ideia democrática, se este contexto não existisse.

O poder do Conselho é a oportunidade de temperar as propostas da Comissão com o realismo de quem está a governar em cada um dos Estados membros. O poder do Parlamento é a oportunidade de temperar o mesmo processo com a exposição direta aos eleitores, mitigada pela necessidade de compromisso entre deputados de norte e sul, periferia e centro da Europa, esquerda e direita, e por aí fora.

O resultado disto tudo é que as políticas europeias nunca são as propostas da Comissão (já de si um exercício de consensualização) mas sim o resultado de um longo processo negocial. Menos transparente do que o puro debate parlamentar (igual ao que se passa no interior dos governos), mas mais aceitável por todos. Querer que a Comissão passe a ser um governo da Europa, com maioria e oposição no Parlamento, vai servir para aprofundar a distância entre uns europeus e outros. Dizer que só isso é democracia, e que isto - a consensualização - não é, é um erro teórico e uma ideia que promete dar mau resultado. O consenso é uma maçada e maçador, mas mantém junto o que é muito diferente. E esse é que é o grande mérito da Europa.

Consultor em assuntos europeus

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.