CDS está próximo da irrelevância em favor da nova direita

Na sondagem de dezembro da Aximage para DN/JN e TSF, o CDS volta a bater no fundo, com 0,3% das intenções de voto. A leitura do mapa de transferências de voto do barómetro mostra que os que votaram nos centristas se estão a dispersar, por esta ordem, por Chega, PSD e Iniciativa Liberal

Os maus resultados do CDS não são uma novidade nos barómetros da Aximage para o DN, o JN e a TSF. Logo na primeira vaga, em julho, os centristas já só conseguiam 2,1% (menos dois pontos do que nas últimas eleições legislativas). Caíram, depois, para um ponto percentual e assim se aguentaram ao longo dos meses de setembro, outubro e novembro. Na sondagem de dezembro, o CDS volta a bater no fundo, com 0,3% das intenções de voto.

Como ressalva Hugo Mouro, da Aximage, "uma sondagem não é uma eleição, e é nas eleições que se decide o futuro dos partidos". Mas é cada vez mais evidente que "o futuro parece muito incerto para o CDS, existindo o risco real de cair na irrelevância e de não eleger deputados na próxima legislatura".

A leitura do mapa de transferências de voto do barómetro mostra que os que votaram nos centristas se estão a dispersar, por esta ordem, por Chega, PSD e Iniciativa Liberal. No caso do Chega, a análise aos diferentes segmentos da amostra confirma a predominância masculina (13,2%, mais dez pontos do que entre as mulheres) e uma razoável implantação em todo o território nacional, com destaque para a região Centro e para Lisboa, o maior círculo eleitoral do país. Outra tendência que até se reforça é a do apoio entre os que têm 50 a 64 anos (13,6%).

Já o crescimento da Iniciativa Liberal ao longo do último mês de 2020 parece explicar-se pelo entusiasmo nas regiões mais a norte, em particular na Área Metropolitana no Porto. Menos espetacular, mas mais estável, é o resultado de Lisboa, próximo dos três pontos percentuais. Outras duas características que se mantêm: a preponderância masculina (o dobro das mulheres) e a importância do escalão mais elevado de rendimentos (5,7%).

rafael@jn.pt

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG