Refugiados ambientais. "Estas vítimas não têm uma vida mais fácil do que os refugiados de um conflito bélico"

Os desastres climáticos tornaram-se a primeira causa de migração em todo o mundo. Todos os anos, mais de 20 milhões de pessoas deixam as suas casas por causa de problemas ambientais. Não sofrem menos do que quem foge de um conflito bélico, alerta o advogado ambientalista Ibrahim Mbamoko, no primeiro dia da Cimeira do Clima das Nações Unidas, em Madrid, na qual os refugiados ambientais foram uma sugestão forte para colocar na agenda dos políticos.

Deixam as suas casas porque não têm água potável, fogem de uma tempestade ou de um incêndio que lhes arruinou tudo o que a terra dava. Uns mudam de região, outros de país à procura de um sítio onde o clima os deixe comer, respirar, viver. Monjur Rashid conhece vários refugiados ambientais. É natural do Bangladesh, onde vive e trabalha como advogado a defender migrantes que mudaram de vida por causa das alterações climáticas.

"Nas últimas duas décadas, o número de refugiados ambientais aumentou muito no meu país, principalmente no sul. Conheci uma pessoa que tinha uma plantação de chá que ficou arruinada por causa da poluição. Teve de mudar de cidade e de vida. Há também quem tenha de deixar a sua casa, porque o nível da água está a subir", conta ao DN em Madrid onde está para participar na Conferência das Partes das Nações Unidas para as Alterações Climáticas. Tudo consequências do aumento das emissões de gases poluentes na atmosfera, que continuam a bater recordes e que provocam a subida da temperatura média do planeta, o aumento do volume dos oceanos, a extinção de espécies animais e de plantas. "Isto é perturbador", comenta Monjur Rashid, num inglês carregado de sotaque.

Veio até à Conferência, que começou nesta segunda-feira na capital espanhola, com um grupo de colegas do movimento global de defesa social Oxfarm. Viajaram juntos, mas separaram-se durante o dia para assistir ao máximo de conferências possível do programa. No final da tarde, juntaram-se para partilhar o que ouviram. Rashid recolheu, no seu caderno preto estilo Moleskine, informação sobre o debate dedicado aos refugiados climáticos. Foi um dos temas fortes do primeiro dia da COP25 (como é conhecida a Cimeira do Clima das Nações Unidas), uma tentativa de colocar a problemática na agenda dos decisores políticos reunidos na capital espanhola durante duas semanas.

A expectativa de que as mais de 190 nações aqui presentes discutam o apoio financeiro dado às comunidades afetadas pelos desastres naturais é grande. Espera-se que a Organização das Nações Unidas (ONU) conclua a primeira revisão do Mecanismo Internacional de Varsóvia para Perdas e Danos, um fundo para responder às emergências climáticas. É este também o desejo de Ibrahim Mbamoko, advogado especializado na área do ambiente e secretário-geral da Associação Carre Geo & Environnement. No entanto, o orador da palestra sobre migração climática deixa claro: é importante agilizar mecanismos para auxiliar estes refugiados, mas há que atacar o problema pela raiz e combater as alterações climáticas. "A emigração ambiental não pode ser uma tentativa de solucionar a mudança do clima", defendeu.

Enquanto existirem - e aumentam a cada dia -, os refugiados não podem ser ignorados. Até porque estas pessoas sofrem muitas vezes, segundo Ibrahim Mbamoko, de outro tipo de problemas que acumulam. "Os refugiados climáticos são, muitas vezes, pessoas mais pobres, com falta de acesso a uma defesa justa e são rejeitados pelos países de acolhimento. É preciso trabalhar nas políticas destes migrantes para dar mais dignidade a quem chega de novo a um país, porque os refugiados climáticos também não saíram do seu país por vontade própria. Tiveram de o fazer. Estas vítimas não têm uma vida mais fácil do que os refugiados de um conflito bélico."

20 milhões de migrantes por ano

É neste sentido que aponta o estudo "Obrigados a deixar as suas casas", divulgado nesta segunda-feira pela Oxfam, a associação não governamental de que Monjur Rashid faz parte. Segundo o documento, os cidadãos mais vulneráveis às questões climáticas são os mais pobres. Apesar de serem "os que menos contribuíram para a poluição causada pelo CO2, são os que estão em maior risco".

Quem vive em países em desenvolvimento ou de médio rendimento, como a Índia, a Nigéria ou a Bolívia, tem quatro vezes mais probabilidades de ter de se deslocar devido a um desastre natural do que quem vive num país considerado desenvolvido. Já na Europa, ainda de acordo com a ONG, os países onde é mais comum a situação de refugiados ambientais são, por ordem: a República Checa, a Grécia e a Espanha, a "capital da luta contra as alterações climáticas" por estes dias, como apelidou o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, no seu discurso na cerimónia de abertura da cimeira.

Os desastres climáticos tornaram-se a primeira causa da deslocação de pessoas em todo o mundo na última década. Por ano, mais de 20 milhões de cidadãos deixam as suas casas por causa de uma crise ambiental. Hoje é "três vezes mais provável que alguém seja forçado a deixar a sua casa por ciclones, inundações ou incêndios florestais do que por conflitos, e até sete vezes mais do que por terramotos ou erupções vulcânicas", refere o estudo da Oxfam.

Mariam Traore Chazalnoel, representante da Organização Internacional para as Migrações das Nações Unidas, lamenta estes números, mas não deixa de fazer um comentário otimista: "Foi uma longa jornada até conseguirmos pôr este assunto na agenda. Acho que estamos numa altura em que há vontade política e conhecimento para agir. Isto é um problema real e temos de fazer algo." De facto, os refugiados climáticos não foram esquecidos na 25.ª edição da Conferência das Partes, pelo menos do lado de fora da sala onde decorrem as negociações. O tema está tudo menos escondido, até nas paredes do metro da linha cor-de-rosa - que leva milhares de pessoas à feira de Madrid - se encontram os números de desalojados climáticos, em caracteres garrafais.

Urgência climática

Resta saber até que ponto estão os decisores políticos dispostos a avançar durante as reuniões oficiais. O secretário-geral das Nações Unidas lançou o repto e pediu às nações para se entenderem em nome do clima. No discurso de abertura da COP25, António Guterres lembrou que é preciso rever o investimento em políticas ambientais, regulamentar os mercados de carbono, apoiar os países que sofrem com catástrofes ambientais e evitá-las sempre que possível.

"É necessário mudar a economia, o trabalho e os atos individuais. Se queremos a mudança, temos de ser a mudança. Não há tempo nem razão para adiar. Temos a tecnologia e a ciência necessárias, só temos de mostrar a vontade", disse o português.

O sucesso da reunião mundial depende das negociações que decorrerão nas próximas duas semanas e dos anúncios que se espera que os países façam para tornar mais ambiciosas as metas do Acordo de Paris (2015), insuficientes para travar a luta contra as alterações climáticas. Na cimeira do próximo ano, que acontecerá em Glasgow, no Reino Unido, os países terão obrigatoriamente de rever as metas estipuladas no tratado assinado na capital francesa e Madrid é a primeira etapa para alcançar a mudança.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...