Salários em Portugal são os que cresceram menos depois da troika

FMI diz num estudo sobre Grécia, Portugal, Irlanda e Espanha que "declínio foi baseado em salários mais baixos, em vez de ganhos de produtividade".

A economia portuguesa tem os custos laborais mais baixos no conjunto dos países que foram submetidos a programas de ajustamento na sequência da crise financeira e da dívida, indica o Fundo Monetário Internacional (FMI). E mesmo com a retoma iniciada em 2017, Portugal ainda não recuperou.

A revelação é feita no relatório anual (artigo IV) sobre a Grécia, divulgado nesta semana, e mostra que todos os quatro países em causa - Portugal, Grécia, Irlanda e Espanha (que também é considerada porque teve um programa ainda que só dedicado aos bancos) - reduziram de forma muito pronunciada os custos unitários do trabalho (custo por trabalhador), sobretudo entre 2014 e 2016, com descidas na ordem dos 10% ou 15%.

No caso de Portugal, os custos laborais unitários terão caído cerca de 15% desde 2014, o último ano do programa de ajustamento. Em 2017, voltaram a subir ligeiramente (menos de 2% em termos nominais), não se prevendo uma aceleração.

Por exemplo, a Comissão Europeia prevê que os custos unitários do trabalho portugueses tenham uma evolução relativamente fraca em 2018 e 2019. Mesmo com os aumentos do salário mínimo e a política da reposição de rendimentos dos últimos anos, esses custos, embora subam, estão em desaceleração outra vez.

Bruxelas espera um aumento de 1,5% e em 2019 o ritmo baixa para 1,2%, que será assim o valor mais baixo desde 2015, como noticiou o DN/Dinheiro Vivo, em maio.

No estudo sobre a Grécia, o FMI repara que "os custos laborais unitários mais baixos ajudaram [os quatro países analisados] a recuperar a competitividade". Mas observa que "esse declínio foi baseado em salários mais baixos em vez de ganhos de produtividade".

Portugal é o país onde a competitividade mais recupera no biénio 2017-18 face a 2015-16. Na Irlanda caiu ligeiramente; em Espanha e na Grécia ficou praticamente estagnada. Em todo o caso, a Irlanda continua a ser, de longe, o país mais competitivo; depois vêm Espanha, Portugal e Grécia, por esta ordem.

Só a Irlanda, onde a produtividade é mais elevada, continua a registar aumentos neste indicador. Portugal, pelo contrário, registou um ligeiro declínio em 2017, segundo o FMI.

Bruxelas também confirma o problema

Este fenómeno de inércia salarial portuguesa tem sido problematizado por instituições e economistas.

Para a Comissão Europeia, "é provável que o aumento do salário médio da economia como um todo seja parcialmente compensado por uma forte criação de emprego em atividades com salários abaixo da média".

E assim é porque "a maioria das novas contratações têm acontecido em setores com perfis de baixas qualificações e salários abaixo da média".

O forte crescimento do emprego que tem marcado a retoma portuguesa está "particularmente relacionado com o turismo, a construção e a indústria".

Acresce ainda que "apesar do aumento significativo no número de empregos permanentes em 2017, a proporção de empregados temporários permaneceu estável em 22%, um dos níveis mais altos da União Europeia", disse Bruxelas na mais recente avaliação do semestre europeu.

Segundo cálculos do DN/Dinheiro Vivo com base em dados do Eurostat para 2017, Portugal terá mais de 711 mil trabalhadores com contratos a prazo ou ainda mais precários e que estão nessa situação de forma "involuntária". Este grupo está a crescer em números absolutos e desde 2014 aumentou 10%. Isto também contribui para manter os salários baixos.

O peso desse fenómeno no total do emprego por conta de outrem também é elevado, o quinto maior da Europa: isto é, 82% das pessoas sentiram-se obrigadas a aceitar contratos mais precários (a prazo ou a tempo ainda mais incerto) porque não conseguiram encontrar oportunidades de vínculo permanente, indica o Eurostat.

Entretanto, o governo avançou com um pacote legislativo para tentar combater a precariedade e o excesso de rotatividade de alguns segmentos da população.

O pacote passou no Parlamento em julho (votação na generalidade), mas em setembro será revisitado na especialidade para ser "melhorado" e incorporar, eventualmente, algumas propostas dos partidos à esquerda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.