Sindicatos e empresas acordam aumento de 135 euros para seguranças

Aumento é para ser aplicado entre 2019 e 2020 e abrange mais de 35 mil vigilantes. Objetivo: revitalizar o setor e combater a concorrência desleal.

Os sindicatos que representam os trabalhadores da segurança privada e a Associação de Empresas de Segurança (AES) assinaram um acordo de princípios que prevê um aumento de 135 euros (quase 20%) no salário base dos vigilantes a ser feito entre 2019 e 2020. Empresas e representantes dos trabalhadores falam em acordo histórico.

O objetivo é que este acordo de princípios (que será ainda apresentado e sujeito à aprovação dos trabalhadores) seja refletido no contrato coletivo de trabalho do setor, permitindo que a remuneração base dos vigilantes avance dos atuais 661,32 euros para os 796,18 euros. Mas não só. Pretende-se ainda avançar com um conjunto de medidas que ambas as partes consideram imprescindíveis para a revitalização do setor e para criar condições de retenção e recrutamento de profissionais.

O setor da segurança abrange atualmente mais de 35 mil vigilantes e acredita-se que o novo CCT poderá contribuir para combater a concorrência desleal que, segundo afirma a AES, lesará o Estado em qualquer coisa como 30 milhões de euros por ano em contribuições para a Segurança Social e impostos que ficam por pagar.