Premium 31 municípios já apoiam a compra das vacinas que o Orçamento do Estado prevê

Quase de certeza que já ouviu falar de uma destas vacinas quando levou o seu filho ao pediatra. A Sociedade Portuguesa de Pediatria recomenda-as e foram até aprovadas no Orçamento do Estado de 2019, mas a ciência ainda não está certa de que sejam uma boa aposta para o país.

São várias as vacinas recomendadas pelos pediatras que ainda não se encontram incluídas no Programa Nacional de Vacinação (PNV) e, por isso, não são comparticipadas pelo Estado. Contudo, podem custar mais de cem euros por dose e, para as famílias sem capacidade económica, torna-se uma impossibilidade adquiri-las. Perante esta realidade, o Parlamento aprovou, no final de 2018, a inclusão de três novas vacinas no PNV (meningite B, rotavírus e HPV alargado aos rapazes) no Orçamento do Estado de 2019, embora ainda falte o aval técnico da Direção-Geral da Saúde. Mas já havia pelo menos 31 autarquias que as comparticipavam ou ofereciam aos munícipes, de acordo com os dados do Observatório de Autarquias Familiarmente Responsáveis.

De norte a sul do país, há dezenas de municípios que acolhem iniciativas que apoiam a compra de pelo menos uma destas três vacinas. Quer através de iniciativas de incentivo à natalidade quer pela promoção da saúde geral dos munícipes. São eles os municípios de Mealhada, Alcanena, Alcoutim, Almodôvar, Amares, Arruda dos Vinhos, Baião, Braga, Estarreja, Funchal, Góis, Gouveia, Guimarães, Ílhavo, Lousada, Mértola, Miranda do Corvo, Oliveira do Hospital, Ovar, Pampilhosa da Serra, Penafiel, Póvoa de Lanhoso, Póvoa de Varzim, São João da Pesqueira, Santo Tirso, Seia, Sobral de Monte Agraço, Soure, Tomar e Valpaços.

Ler mais

Exclusivos