Premium 31 municípios já apoiam a compra das vacinas que o Orçamento do Estado prevê

Quase de certeza que já ouviu falar de uma destas vacinas quando levou o seu filho ao pediatra. A Sociedade Portuguesa de Pediatria recomenda-as e foram até aprovadas no Orçamento do Estado de 2019, mas a ciência ainda não está certa de que sejam uma boa aposta para o país.

São várias as vacinas recomendadas pelos pediatras que ainda não se encontram incluídas no Programa Nacional de Vacinação (PNV) e, por isso, não são comparticipadas pelo Estado. Contudo, podem custar mais de cem euros por dose e, para as famílias sem capacidade económica, torna-se uma impossibilidade adquiri-las. Perante esta realidade, o Parlamento aprovou, no final de 2018, a inclusão de três novas vacinas no PNV (meningite B, rotavírus e HPV alargado aos rapazes) no Orçamento do Estado de 2019, embora ainda falte o aval técnico da Direção-Geral da Saúde. Mas já havia pelo menos 31 autarquias que as comparticipavam ou ofereciam aos munícipes, de acordo com os dados do Observatório de Autarquias Familiarmente Responsáveis.

De norte a sul do país, há dezenas de municípios que acolhem iniciativas que apoiam a compra de pelo menos uma destas três vacinas. Quer através de iniciativas de incentivo à natalidade quer pela promoção da saúde geral dos munícipes. São eles os municípios de Mealhada, Alcanena, Alcoutim, Almodôvar, Amares, Arruda dos Vinhos, Baião, Braga, Estarreja, Funchal, Góis, Gouveia, Guimarães, Ílhavo, Lousada, Mértola, Miranda do Corvo, Oliveira do Hospital, Ovar, Pampilhosa da Serra, Penafiel, Póvoa de Lanhoso, Póvoa de Varzim, São João da Pesqueira, Santo Tirso, Seia, Sobral de Monte Agraço, Soure, Tomar e Valpaços.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.