"Não há novas casas a entrar no arrendamento tradicional"

Número de novos imóveis no alojamento local atingiu em outubro o valor mais baixo de 33 meses. Arrefecimento do turismo e grandes rentabilidades da venda ajudam a explicar quebra.

Os novos registos de alojamento local atingiram, em outubro, um mínimo de quase três anos. Mas menos casas a entrar no mercado do arrendamento a turistas não é sinónimo de mais oferta para quem procura um arrendamento para a vida, realça Romão Lavadinho, presidente da Associação dos Inquilinos Lisbonenses. "Não há novas casas a entrar no arrendamento tradicional. Pode haver um ou outro caso pontual, mas nada que tenha expressão. As imobiliárias continuam sem casas para arrendar e com dificuldade em dar resposta, à procura, uma situação que tem sido agravada pela especulação", reconhece ao DN/Dinheiro Vivo.

Lavadinho não tem dúvidas de que é preciso criar um enquadramento fiscal diferente que torne o mercado do arrendamento mais atrativo. "A diferença é muito grande. Um imóvel arrendado tem uma taxa de imposto de 28%, enquanto no alojamento local qualquer casa custa 100 a 105 euros por dia e paga imposto sobre 35% do lucro. A quebra de imóveis a entrar no alojamento local não se reflete no arrendamento normal, porque a passagem implica muitos custos para os proprietários", acentua.

A escassez de imóveis "é um problema de fundo" que o responsável acredita que "só poderá mudar através da Lei de Bases da Habitação", uma reivindicação antiga dos inquilinos e que só foi aprovada em julho pelo Parlamento.

Com a primeira lei de bases a dar estatuto de lei a várias preocupações de quem arrenda, a Associação dos Inquilinos Lisbonenses tem agora os olhos postos no Orçamento do Estado para 2020 - que será entregue a 16 de dezembro na Assembleia da República - e na verba que o governo de António Costa destinará à habitação. No ano passado foram 40 milhões, um valor que consideraram baixo para as necessidades dos portugueses. "No dia 3 reunimo-nos com o Partido Socialista e no dia 9 com os Verdes", refere. Qual será a máxima? "A nossa posição é conhecida: Falta arrendamento e os valores praticados são incomportáveis para a maioria das famílias", destaca.

Alojamento local cresce mais lentamente

Em outubro de 2018 foram feitos 3842 novos registos de casas no alojamento local. Desde aí, o mercado nunca mais cresceu da mesma forma, com quebras mensais consecutivas. Em outubro deste ano, o número de novos registos não ia além dos 781 novos registos, um mínimo de 33 meses, mostra um estudo da consultora imobiliária Imovendo, que se debruçou sobre os dados do Registo Nacional do Alojamento Local. "Após dois anos em que o alojamento local absorveu parte significativa do stock imobiliário disponível no mercado - uma média de 2000 novos imóveis, por mês -, o ano de 2019 tem sido sinónimo de uma certa descompressão em termos de investimento", refere a empresa imobiliária.

A quebra no ritmo de crescimento, que desde a abertura da lei, em novembro 2014, tornou-se mais evidente desde novembro do ano passado, altura em que entraram em vigor novas regras, mas tem ganho expressão ao longo deste ano.

A Imovendo encontra três explicações e nenhuma delas tem que ver com uma expansão ou uma maior atratividade do mercado do arrendamento tradicional. Pelo contrário, a consultora destaca que "o ritmo de crescimento de turistas e de dormidas não tem acompanhado o aumento de oferta e de camas que se tem registado"; "o stock de apartamentos e de moradias em oferta tem registado preços máximos que põem em causa a viabilidade comercial de alguns projetos de turismo residencial"; e "em alguns pontos do país (sobretudo em Lisboa, mas não de forma exclusiva) tem vindo a ser criada legislação autárquica de maior controlo da expansão destas unidades como forma de proteção do mercado imobiliário "tradicional".

Romão Lavadinho admite que sem turistas ou inquilinos duradouros os proprietários estão a voltar a optar por fechar as casas.

Jornalista do Dinheiro Vivo

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...