Esquerda, esquerda, volver

Renacionalizar os correios, as águas, os caminhos-de-ferro e a energia, obrigar a que um terço dos conselhos de administração das empresas sejam compostos por representantes dos trabalhadores e expropriar 10% das ações das empresas com mais de 250 trabalhadores para as entregar a fundos geridos por ou a benefício dos empregados. Todas estas ideias, que causaram algum entusiasmo ao Dr. Francisco Louçã, são o essencial do programa de grandes reformas económicas do Labour, anunciado na sua conferência da semana passada. É isto o programa de um partido que era a direita dos socialistas europeus até há poucos anos.

Enquanto que à direita se tem assistido, pela Europa fora, à emergência de partidos de extrema-direita o processo do outro lado parece ser diferente. Para travara a extrema-esquerda, alguma esquerda moderada mimetiza-a.

À direita, os partidos clássicos mantêm-se de direita, mas não se radicalizaram. Nem no Reino Unido, nem em França, na Alemanha, em Portugal, na Grécia ou na Suécia, para dar alguns exemplos. Com a exceção óbvia da Hungria e da Áustria (e, neste caso, com reservas), e o caso americano, a extrema-direita cresce sem que a direita tradicional tenha mudado radicalmente. Pelo contrário, à esquerda está a acontecer outra coisa.

Em tempos, havia normalmente tantos governos europeus socialistas como de partidos filiados no PPE, e uns quantos, poucos, desalinhados e distribuídos entre os conservadores e os liberais. Hoje, na Europa da União Europeia há oito chefes de Estado ou de governo do PPE, sete liberais (não contando com Macron, que passa por independente) e apenas cinco socialistas (Eslovénia, Espanha, Malta, Portugal e Suécia (para já).

Ao contrário do que poderia ser de esperar - ou não, se reconhecermos que os populistas de direita estão a cativar os eleitores que muitas vezes seriam de esquerda - à saída da grande crise dos último anos, foi o centro esquerda moderado que foi o perdedor e não os partidos vistos como pró-mercado, pró-capitalistas e economicamente liberais. Nalguns casos, como o do Labour, a resposta está a ser virar completa e radicalmente à esquerda.

De cada vez que a extrema-direita cresce, é frequente haver quem, à direita, queira que os partidos tradicionais acompanhem o discurso. Se uns falam de emigração, os outros também têm de falar; se uns são contra Bruxelas, os outros também têm de ser, e por aí fora. A tese é que é preferível integrar os descontentes nos partidos tradicionais e democráticos, a deixá-los fugir para a extrema. Esse problema, que era um problema da direita, agora coloca-se à esquerda. No Reino Unido, o novo Labour está mais perto do Bloco de Esquerda do que do Partido Socialista; em Itália, o centro Esquerda, desapareceu, e em França também. E nos Estados Unidos, há cada vez mais réplicas de Bernie Sanders a ganharem eleições primárias entre os democratas.

Se a radicalização à direita é um problema óbvio e grave, o mesmo processo à esquerda não deveria ser considerado menos. Para além do que a história já devia ter ensinado sobre as economias nacionalizadas, a ilimitada intervenção do Estado e por aí fora, entre radicais não se fazem consensos. E a Europa precisa de gente capaz de consensualizar. Coisa que, segundo consta, levou horas para sequer definir o que era, na conferência do Labour na semana passada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.