Manter os adversários por perto

"Um erro de articulação política e de comunicação" terá agitado a relação entre António Costa, Pedro Nuno Santos, Luís Montenegro e Marcelo Rebelo de Sousa. Mas a explicação do ministro das Infraestruturas convence pouco ou nada. Não passaria pela cabeça de nenhum ministro anunciar uma decisão desta dimensão - a estratégia para o novo aeroporto de Lisboa, compreendendo, para já, três localizações e um investimento de seis mil milhões de euros, sem contar ainda com as acessibilidades - em nome de todo o governo e sem falar com o chefe do Executivo.

Ter-se-á precipitado ou avançado rápido demais? O ministro das Infraestruturas disse hoje que "a vontade de querer realizar fez com que não fosse alcançado o objetivo do consenso", referindo-se ao facto de não ter esperado que Costa falasse com Montenegro, promessa que tinha sido feita pelo primeiro-ministro dia 3 de junho. Montenegro só será líder do PSD a partir de domingo. O anúncio de Pedro Nuno Santos lançou já a desconfiança para uma futura relação entre os líderes dos dois maiores partidos nacionais. Costa fica fragilizado e quando tiver a primeira conversa ou negociação com Montenegro, provavelmente, terá de dar explicações ou desculpas por esta trapalhada.

Por muito que o ministro Pedro Nuno Santos diga que a situação é da sua "inteira responsabilidade" e que se "penaliza profundamente pelos erros", será Costa que terá de lidar agora com o caso. O ministro assume que cometeu "uma falha relevante", mas diz que "este momento infeliz não mancha a relação com o primeiro-ministro". A ver vamos. O ministro afiança ainda que continuará no governo, rematando com um "queremos trabalhar". Mas sai também ele beliscado de toda esta novela, até porque, daqui em diante, de cada vez que for ao Parlamento vai ser questionado se já falou de determinado assunto com o primeiro-ministro.

Porque manterá Costa o ministro no Executivo? Primeiro, porque provavelmente a solução estava mais do que falada e estudada entre ambos, depois porque Pedro Nuno Santos tem pastas difíceis em mãos e que poucos quererão - é o caso do novo aeroporto, da TAP e da habitação - e, não menos importante, Costa prefere ter os adversários internos por perto.

Pedro Nuno Santos já foi desautorizado pelo menos três vezes: no penúltimo congresso do PS quando, após um discurso inflamado, Costa veio pedir calma e dizer que ainda não tinha entregue os papéis para a reforma, depois foi desautorizado no caso da TAP e agora na nova solução aeroportuária para Lisboa. Tirar o tapete três vezes terá a intenção de fragilizar um potencial adversário à liderança do Partido Socialista? O tempo o dirá.

Os portugueses estarão muito preocupados com isso? Certamente que não. Querem saber é se a solução aeroportuária vai mesmo para a frente e quando deixarão de perder tempo e dinheiro em filas infindáveis no aeroporto de Lisboa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG