"Crescemos a ouvir: vamos para a faculdade para ter emprego melhor"

Universitários já olham para o ensino superior como mais um passo na sua formação e não uma antecâmara para o mercado de trabalho. João fez dois mestrados, Diogo quer ir para o estrangeiro e Cecília quer "aprender mais"

São estudantes em diferentes fases da sua carreira académica. Em comum, têm a forma como olham para o ensino superior: mais uma etapa na sua formação enquanto cidadãos e não necessariamente uma preparação direta para o mercado de trabalho. Uma necessidade a que as universidades e politécnicos tentam responder cada vez mais, criando formações genéricas e permitindo aos seus estudantes frequentar disciplinas de cursos das ciências, das humanidades ou das artes em simultâneo. Os alunos agradecem e querem ainda mais flexibilidade.

João Rodrigues, 26 anos, estudante mestrado de políticas públicas no ISCTE

Aos 26 anos, João Rodrigues está a terminar o seu segundo mestrado e soube há uma semana e meia que entrou no doutoramento. Começou a carreira académica com a licenciatura em sociologia no ISCTE, mais à procura de uma formação base do que de uma saída profissional. "A minha geração nasceu a ouvir duas coisas: vamos para a faculdade e vamos ser todos doutores, engenheiros ou advogados e vamos tirar um curso para entrar no mercado de trabalho e ter uma aceleração salarial. Penso que esse é um dos problemas que leva a minha geração, num certo momento da sua formação, a ter ficado defraudada com as expectativas que nos criaram. Essa conceção de que o ensino superior servia para arranjar melhores empregos e não para formar melhores cidadãos."

Penso que esse é um dos problemas que leva a minha geração, num certo momento da sua formação, a ter ficado defraudada com as expectativas que nos criaram. Essa conceção de que o ensino superior servia para arranjar melhores empregos e não para formar melhores cidadãos

João decidiu então seguir sociologia - apesar do estigma que havia em casa - porque foi a disciplina que o "fascinou" no secundário e porque queria ter "uma formação de base e depois com isso fazer investigação científica". Assim, que entrou no ensino superior percebeu "logo que uma licenciatura não dava para fazer investigação nem para integrar o mercado de trabalho com uma ascensão salarial que justificasse começar a trabalhar aos 21 anos".

Na procura por essa especialização, João Rodrigues decidiu fazer um mestrado na Alemanha em psicologia de comunidades, depois achando que não era suficiente e porque também se envolveu na Federação Académica de Lisboa (FAL, que preside atualmente), resolveu fazer um segundo mestrado que conjugou com uma pós-graduação. A pós-graduação foi em estatística ("precisava desse conhecimento para a investigação científica") e o mestrado foi de políticas públicas. Agora acredita, não só "ser um melhor cidadão" como ter maior facilidade em entrar no mercado de trabalho, enquanto vai fazendo o doutoramento.

Cecília Faria, 17 anos, quer entrar em ciência política na Universidade Nova

Cecília Faria está a terminar o 12.º ano no liceu Camões, em Lisboa, na área de ciências. Prepara-se para se candidatar ao curso de ciência política e relações internacionais na Universidade Nova. Um caminho muito diferente do que pensava querer quando entrou no secundário: "Pensava que ia seguir medicina, mas começámos a aprofundar a matemática, a físico-química e a biologia e percebi que não era o que queria. Depois no verão do ano passado li o livro de Luaty Beirão e quis saber mais sobre o que lhe tinha acontecido. Em conversa com o meu pai ele falou-me do curso de ciência política como uma opção para perceber melhor o mundo", conta.

Como qualquer jovem, Cecília quer "pensar em alternativas" para "a sociedade capitalista e os problemas do mundo". Espera que a formação superior a que se vai candidatar a ajude nessa tarefa. "Sinceramente não estou a pensar no mercado de trabalho, quero aprender mais."

É verdade que Cecília ainda nem começou o ensino superior, mas tem já a ideia que a licenciatura não chega. "Acho que farei o meu percurso, mas provavelmente vou fazer mestrado."

Diogo Tomás, 20 anos, finalista da licenciatura de design de comunicação na Faculdade de Belas-Artes

A terminar a licenciatura de design de comunicação, Diogo Tomás encontrou a área por acaso. "Escolhi artes visuais no secundário porque era o que desgostava menos, depois o irmão de uma amiga estava a fazer este curso e decidi candidatar-me, mas para mudar para multimédia ao fim do primeiro ano, acabei por gostar e fiquei", resume o universitário de 20 anos.

Durante o curso elogiou o facto de poder escolher disciplinas diferentes, mas gostava que essas opções fossem mais facilitadas e que os professores não oferecessem tanta resistência à mudança. "Na teoria temos essa oportunidade de escolher áreas muitos diferentes e especializações à medida, mas na prática há professores mais resistentes, que estão há muitos anos a fazer a mesma coisa e não apostam em coisas novas."

Diogo prepara-se para acabar a licenciatura e como plano de futuro não pensa ainda no mercado de trabalho. Primeiro, quer fazer uma pós-graduação em web design (em busca da tal especialização, que pode fazer a diferença), a seguir uma experiência no estrangeiro e depois um mestrado. "Depois disto, aí sim é trabalhar a sério e em Portugal, porque quero muito ficar por cá", sublinha. A sua visão do ensino superior é de que é uma forma de "ter uma boa base", que deve ser alimentada por cada um: "Tenho que puxar por mim."

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.