"Lisboa, a cidade de fachadas bonitas onde não mora ninguém"

Na freguesia mais cara do país os habitantes estão a sair "a um ritmo alarmante". Em Lisboa, na Freguesia de Santo António, o preço médio do metro quadrado já ultrapassa os quatro mil euros, mas há casas à venda por quatro vezes mais.

Santo António já se acabou, mas para as imobiliárias a festa está para durar. Na freguesia que ladeia a Avenida da Liberdade, em Lisboa, há casas de duas assoalhadas à venda por 1,2 milhões de euros. O preço médio do metro quadrado na Freguesia de Santo António ultrapassou, pela primeira vez desde que há dados, os quatro mil euros. Mas não é difícil encontrar quem peça três ou quatro vezes mais.

"Não é preciso ir muito longe, aqui em baixo há um T0 de 25 m2 à venda por 400 mil euros", conta Vasco Morgado, presidente da junta de freguesia mais cara do país. No espaço de um ano, os preços em Santo António dispararam 39,8%, segundo os números revelados ontem pelo Instituto Nacional de Estatística. Os valores não surpreendem o autarca, lisboeta de gema, que vê não só na freguesia mas em toda a cidade "cada vez menos gente e cada vez mais proprietários". Será Santo António o padroeiro da especulação imobiliária?

"Estes preços só são bons para quem é proprietário. Claro que Lisboa precisava de um abanão, mas este ritmo de crescimento vai ter custos. A médio prazo vamos ter uma cidade cheia de fachadas bonitas mas onde não mora ninguém", desabafa. Vasco Morgado revela que todos os dias lhe batem à porta inquilinos com ordem de despejo. E não tem dúvidas de que a subida em flecha dos preços é uma "bolha especulativa" que vai acabar por rebentar.

Além de Santo António, a capital tem mais duas freguesias onde o preço do metro quadrado não cabe em todas as carteiras: na Misericórdia, que vai do Bairro Alto ao Cais do Sodré, e em Santa Maria Maior, que sobe da Baixa até ao Castelo, o valor ultrapassa os 3500 euros. Zonas como Parque das Nações, Estrela ou Campo de Ourique já não ficam muito atrás. No conjunto da cidade, os preços subiram de 22,7% para 2580 euros o metro quadrado. A média nacional está nos 950 euros.

"Lisboa é uma moda, não é uma cidade consistente de turismo. E as modas passam. Este aumento dos preços traz alguns benefícios em termos de investimento, mas a parte humana da cidade perde-se, os bairros ficam descaracterizados. O que se passa é que está toda a gente a correr atrás do dinheiro fácil e imediato. Aumentos de preços de 40% num ano são a definição de bolha, que vai rebentar. Se calhar não chega até ao fim deste mandato", antecipa o autarca, reeleito em 2017 pelo PSD.

Para que Lisboa não se torne uma "cidade de classes", Vasco Morgado apela ao governo e à Assembleia da República para que tomem "medidas concretas de regulação", porque quem compra casas de 25 m2 por 400 mil euros "não mora cá, logo não paga impostos". Na freguesia, que tem menos de 1,5 km2, habitam pouco menos de 12 mil pessoas. "E serão cada vez menos. Os habitantes estão a sair a um ritmo alarmante.

O êxodo de nativos repete-se a norte, tal como as preocupações de quem manda. A freguesia onde os preços das casas mais aumentaram no período de 12 meses que terminou em março fica bem no centro do Porto. Na zona que une Cedofeita, Santo Ildefonso, Sé, Miragaia, São Nicolau e Vitória, o valor do metro quadrado até parece modesto:1636 euros. Mas no ano passado custava menos 45,2%.

"É uma subida que não me surpreende mas que é preocupante", diz o presidente da junta, António Fonseca. Na opinião do autarca, a cidade está no centro de um ciclo de "especulação", motivado pela procura "elevadíssima face ao que está disponível no mercado".

Preços de quatro mil euros por metro quadrado na Avenida dos Aliados, como agora se pratica, "são uma loucura porque não são reais" e só beneficiam os "fundos imobiliários e grandes investidores". São estes os únicos com capacidade para dar 400 mil euros por um T1 na Cedofeita, "para procurar retorno através do turismo".

No Município do Porto, os preços aumentaram 22,7% num ano, para uma média de 1379 euros por metro quadrado. Na Freguesia de Paranhos e na União de Freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde as subidas ultrapassaram os 20%. A manterem-se estes preços, é a cidade que perde, afiança o autarca eleito em 2017 pelo movimento independente O Nosso Partido é o Porto, liderado por Rui Moreira, o presidente da Câmara do Porto.

"Esta especulação pode ser uma fatalidade. Precisamos de uma cidade com habitação permanente. O turismo não é de mais, mas temos de ter população para receber os turistas, porque de um dia para o outro isto muda. E para haver habitantes permanentes os valores não podem ser tão exorbitantes. Estes preços são mais uma machadada na habitação", destaca António Fonseca.

Na freguesia do centro histórico da Invicta há cerca de 38 mil pessoas recenseadas. Em quatro anos, a zona perdeu mais de dois mil habitantes. "Há alguns moradores novos, mas é um número residual, não compensa os que estão a sair", afirma o autarca, que acalenta o sonho de ter daqui a dez anos uma freguesia "com muitas famílias jovens", mas não esconde o receio de ver nascer, ao invés, "mais uma estância turística".

Ler mais

Exclusivos