Zoom acorda pagar 71,5 ME por violação de privacidade

Cada cliente que tenha sido afetado pela alegada violação de privacidade podeá receber entre 15 e 25 dólares.

A americana Zoom Video Communications chegou a um acordo extrajudicial com um grupo de queixosos que a acusavam de violar o seu direito à privacidade, por um total de 85 milhões de dólares (71,5 milhões de euros).

Segundo a agência Efe, que cita um documento entregue no fim de semana a uma juíza na Califórnia, as duas partes aceitaram um acordo extrajudicial segundo o qual cada cliente que tenha sido afetado pela alegada violação de privacidade poderia receber entre 15 e 25 dólares.

A ação coletiva, interposta no ano passado, acusa a Zoom, dona de uma das mais populares plataformas de videoconferências do mundo, de ter infringido a privacidade dos queixosos ao partilhar os seus dados com tecnológicas como a Google e o Facebook.

Além disso, os queixosos consideram que a Zoom não fez o suficiente para proteger os utilizadores da entrada de participantes que não tinham sido convidados para reuniões, uma prática conhecida como 'zoombombing' e que aconteceu sobretudo no início da pandemia.

A plataforma registou um crescimento sem precedentes devido à pandemia, com o teletrabalho e a escola à distância, tornando-se dominante em todo o mundo.

O grupo está avançar agora com a sua expansão, tendo comprado, em julho, a empresa ​​​​​​​Five9, que fornece 'contact centers' na 'nuvem'.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG