Trabalhadores do Pingo Doce contra "trabalho escravo" e "assédio moral"

Cadeia de supermercados garante que respeita a lei

Perto de duas dezenas de trabalhadores do Pingo Doce concentraram-se hoje, no Porto, em protesto pelo que consideram ser um "trabalho escravo" e em luta pelo respeito pelo contrato coletivo de trabalho.

Em declarações à agência Lusa, Natália Pinto, dirigente do Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP), que organizou o protesto em frente à loja do Pingo Doce na rua de Costa Cabral, afirmou que os trabalhadores daquela loja estão sujeitos a um "trabalho escravo" e a "assédio moral", sendo "pressionados" a violar a lei.

Nesta loja do Porto, exemplificou, "os trabalhadores que entram às 06:00 apenas picam o cartão às 07:00 ou então picam os cartões uns dos outros, porque são pressionados a fazê-lo".

Contactada pela Lusa, fonte oficial do Pingo Doce refutou "de forma veemente as acusações de assédio moral sobre os seus colaboradores e de desrespeito pela lei".

"O Pingo Doce rege-se por princípios firmes de respeito pelos direitos dos seus colaboradores, conforme Código de Conduta em vigor. Tais princípios aplicam-se em todas as vertentes da relação laboral", acrescentou a fonte.

"A delegada sindical e uma dirigente sindical [que trabalham naquela loja de Costa Cabral] são vítimas de discriminação", disse ainda Natália Pinto, acrescentando "há um condicionamento" na atribuição do prémio anual aos trabalhadores, que tem por base a avaliação de desempenho.

Ana Paula, que trabalha no Pingo Doce há 21 anos mas noutra loja da cadeia, disse à Lusa que se os funcionários "não fizerem mais horas [de trabalho] são mal avaliados e não têm direito ao prémio".

"Perante esta pressão, os trabalhadores fazem tudo o que lhes é pedido", frisou, lamentando que "uma empresa com tantos lucros tenha muitos dos seus trabalhadores avaliados como fracos, que são aqueles que não cedem às pressões".

Para esta trabalhadora, "a situação tem-se degradado muito nos últimos anos".

Milene Fernandes, também presente na concentração e trabalhadora de uma outra loja no Porto, disse estar ali para "lutar" pelos seus direitos, referindo que "há troca de escalas sem consentimento dos trabalhadores e não são dadas duas folgas seguidas".

A fonte oficial da cadeia de supermercados do Grupo Jerónimo Martins acrescentou ainda que "o Pingo Doce disponibiliza a todos os seus colaboradores canais internos de comunicação através dos quais podem denunciar - salvaguardando o seu anonimato -- qualquer eventual incumprimento dos princípios [já] acima referidos".

Num comunicado distribuído à comunicação social no local, o CESP refere pretender "denunciar toda uma política que a empresa tem vindo a implementar de silenciamento e de não resposta aos problemas e reivindicações dos trabalhadores".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG