Trabalhadores da Azores Airlines temem por postos de trabalho com privatização

"Temos algum receio que esta alienação de capital ponha em causa os postos de trabalho tanto na região como no continente, no Porto e em Lisboa", disse o sindicalista José Morgado

O presidente da Comissão de Trabalhadores (CT) da Azores Airlines admitiu hoje que os funcionários da empresa temem pelos seus postos de trabalho na sequência da intenção de privatização de 49% do seu capital social.

"Temos algum receio que esta alienação de capital ponha em causa os postos de trabalho tanto na região como no continente, no Porto e em Lisboa, e que se deixe ao comprador a parte menos popular do trabalho", declarou à agência Lusa José Morgado.

O sindicalista admite que a privatização de parte do capital da operadora, detido pela Região Autónoma dos Açores, "pode ser a solução dado ao aumento da dívida e a situação atual da empresa", mas pretende "saber quais os contornos que estão por detrás desta venda", que já constava do orçamento do Governo dos Açores de 2017.

Segundo o último relatório do Tribunal de Contas, citado pela CT da Sata Air Açores, o passivo da SATA ronda os 200 milhões de euros.

Para José Morgado, é imperioso apurar "porque se atrasou tanto a elaboração do caderno de encargos e só agora se fala da venda, quando ouve tempo para a preparar, podendo coisas já estar em cima da mesa e ser o concurso público aberto".

O responsável adianta que o grupo Sata, que passa por uma fase "muito complicada", "parece estar com alguma dificuldade em se financiar na banca", salvaguardando que esta pode ser uma vantagem do comprador sobre o vendedor.

Entretanto, numa carta aberta à secretária regional dos Transportes e Obras Públicas, Ana Cunha, a CT considera que o seu "grande objetivo é requerer a maior prudência e transparência" na alienação do capital, assegurando-se os "superiores interesses da companhia, do povo açoriano e dos trabalhadores".

Não é justo nem digno que estes venham a conhecer os contornos da alienação de capital e o seu impacto na organização através dos media e dos inesgotáveis comentários que determinadas notícias suscitam

Os trabalhadores querem saber se "está acautelado o serviço público, a mobilidade dos açorianos e a manutenção das rotas até aqui conquistadas e, durante vários anos, geradoras de lucros significativos".

De acordo com a CT é importante apurar que plano de exploração se "exige ao investidor, a curto, médio e longo prazo", qual o "retorno financeiro expectável e que meios humanos o sustentam, bem como a ação necessária à recuperação da velha e boa imagem da Sata Internacional".

Questionada sobre a carta enviada pela CT da Azores Airlnes, no âmbito de uma conferência de imprensa tida hoje em Ponta Delgada, a secretária regional com a tutela da Sata, Ana Cunha, afirmou que "a resposta será dada em audiência a marcar com os signatários da comunicação tornada pública".

A secretária reafirmou que o formato de procedimento concursal da Azores Airlines "dependerá dos interessados", sendo ainda prematuro avançar se o Governo dos Açores vai recorrer à figura de concurso público ou outra figura prevista na lei.

A Sata Air Açores assegura as ligações aéreas entre as nove ilhas dos Açores e a Azores Airlines faz voos de e para fora do arquipélago.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...