Startup portuguesa levanta 750 mil euros para sistema de biodescontaminação

Concretizada com investimento da Bionova Capital, a Delox, spin-off da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, desenvolveu solução a partir de formulação sólida de peróxido de hidrogénio patenteada.

Foi criada em 2018, com investimento pre-seed da Bionova Capital, e acaba de fechar nova ronda de investimento de 750 mil euros, para desenvolver um novo sistema de biodescontaminação capaz de eliminar 99,9999% de todos os microrganismos das superfícies de equipamentos de laboratório e espaços de trabalho, incluindo bactérias e vírus.

A solução criada nos laboratórios da Delox parte de uma nova formulação sólida de peróxido de hidrogénio patenteada, que serve de base ao desenvolvimento de novos dispositivos de biodescontaminação eficazes, acessíveis e compactos para a indústria hospitalar e farmacêutica.

"Este produto permite responder a uma necessidade do mercado por um sistema eficaz e económico para biodescontaminação de equipamentos de laboratório", resume Fadhil Musa, CEO da startup portuguesa, que já realizou vários estudos-piloto nos EUA e na Europa que confirmaram a eficácia e ajustamento do produto às necessidades do mercado. Com o novo financiamento, garantido pela Bionova Capital e Caixa Capital - primeiras capitais de risco a apostar na startup saída da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa -, a que se juntam a finlandesa Kiilto Ventures e um business angel português, a Delox vai garantir a "certificação do produto e desenvolver produtos adicionais para clientes na indústria hospitalar e farmacêutica", explica o responsável.

O anúncio é feito pela Bionova Capital, sociedade portuguesa de capital de risco especializada na área da saúde, de que a Delox é participada. A startup eleva assim o total de capital angariado a mais de 1,3 milhões de euros.

"Quando primeiro reunimos com os fundadores, eles estavam à procura do primeiro financiamento para poderem estabelecer a empresa. Desde então, temos trabalhado em estreita colaboração para os ajudar a trazer a sua tecnologia inovadora até ao mercado", conta Peter Villax, chairman da Bionova Capital. "Estamos muito satisfeitos por testemunhar o lançamento deste produto inovador no mercado global", conclui .

"A Delox é outro bom exemplo do nosso papel na criação de startups de saúde por toda a Europa", concorda o CEO da capital de risco. "A Bionova Capital ajudou no desenvolvimento deste complexo produto, que combina química com engenharia, assim como no recrutamento do chairman e do Conselho Consultivo da empresa", afirma Ricardo Perdigão Henriques. "Inicialmente uma spin-off de uma universidade em Portugal, a Delox está agora a expandir-se e a lançar um produto inovador no mercado global de biodescontaminação. Estamos muito satisfeitos por continuar a apoiar a empresa nesta sua trajetória de crescimento", conclui o CEO.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG