"Sines pode vir a ter o gás natural"

Nuno Mascarenhas é presidente da Câmara de Sines e defende que Portugal não pode abdicar da central de Sines "de um momento para o outro, muito antes de 2030"

Que impacto poderá ter o fecho da central de Sines, muito antes de 2025, como disse o presidente da EDP?

É uma unidade com um grande impacto económico na região. O município recebe da EDP uma renda anual de 1,5 milhões de euros. Trabalham lá cerca de 400 pessoas, mas em fases de manutenção esse número passa para o dobro. Há também empregos indiretos relacionados com a atividade portuária, uma vez que a central recebe o carvão através do Porto de Sines. Além disso, a central é o maior fabricante nacional de gesso (120 mil toneladas), além das cinzas que são vendidas às cimenteiras e para a exportação. Sines produz mais de 20% da energia consumida no país. Não creio que Portugal possa abdicar dela de um momento para o outro, muito antes de 2030.

E que solução defende para o futuro desta central?

Sines tem condições ótimas para o gás natural, tem um cais dedicado a esse tipo de combustível. Quem sabe se essa não poderá ser uma solução? Estamos a trabalhar para que, a curto e a médio prazo, possa existir uma nova solução que possa colmatar o fecho desta unidade em 2030 ou antes. O carvão tem os seus dias contados. O que não quer dizer que com o fecho da unidade a carvão não possa surgir uma outra unidade a trabalhar com gás natural, por exemplo. Estamos em sintonia com o secretário de Estado da Energia e acreditamos que vão ser encontradas soluções que permitam ultrapassar o fecho daquela central. Mas será sempre uma decisão da EDP.

A EDP justificou o fecho da central de Sines com o aumento dos impostos sobre o carvão. Concorda?

Percebo a preocupação da EDP com o aumento dos custos, o governo apresentou neste Orçamento do Estado uma proposta diferente do que existia anteriormente, com mais impostos a pagar pela central, mas pode sempre existir uma margem de entendimento entre o governo e a EDP. Não descurando os interesses da região.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.