Sindicato queria propor aproximação de salários mas eurodeputados não responderam

Estrutura que representa os trabalhadores da construção convidou eurodeputados para um debate onde iria propor aproximação salarial para o setor a nível europeu. Só o PS respondeu.

O Sindicato da Construção de Portugal convidou um eurodeputado português de cada partido para um debate a realizar esta sexta-feira, no Porto, mas só recebeu resposta do PS. A ausência de resposta do PSD, CDU e CDS leva a estrutura a questionar: "Será que os 15 mil euros de salário que ganham os eurodeputados os torna insensíveis a salários de 650 euros?".

O sindicato queria propor aos eurodeputados que levassem ao Parlamento Europeu a proposta de aproximação dos salários dos trabalhadores portugueses aos dos outros países europeus.

"A ser materializada esta proposta, poderiam regressar a Portugal cerca de 200 mil trabalhadores." A cada dia que passa - refere em comunicado estrutura que representa os trabalhadores da construção civil - saem muitas dezenas de profissionais do setor porque ganham apenas 650 euros. O sindicato sublinha ainda a desigualdade social e laboral existente na União Europeia.

Por outro lado, o Sindicato da Construção, presidido por Albano Ribeiro, alerta que a falta de mão-de-obra de cerca de 70 mil trabalhadores em Portugal não permite o avanço de obras publicas e privadas, nomeadamente da ferrovia.

Dada a ausência de resposta dos eurodeputados portugueses, o sindicato vai enviar as suas propostas à presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen e aos presidentes dos grupos parlamentares europeus.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG