Sérgio Monteiro: "Vender 50% era mau para o Estado e não era bom para a TAP"

O antigo secretário de Estado defendeu as opções tomadas enquanto esteve no Governo

O antigo secretário de Estado dos Transportes Sérgio Monteiro defendeu esta terça-feira que a privatização de apenas 50% da TAP, modelo adotado pelo atual Governo, "era mau para o Estado e não era bom para a companhia".

"Atrever-me-ia a dizer que vender apenas 50% [do grupo TAP] não era interessante para o Estado, porque pressupunha o esforço de capitalização, o que recairia sobre os contribuintes portugueses", afirmou o antigo governante, que está a ser ouvido no Parlamento.

Na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, Sérgio Monteiro disse que, nesse cenário, "teria sido impossível livrar o Estado de participar do esforço capitalização, o que implicava por os contribuintes a pagar".

"Uma privatização a 49% ou 50% era mau para o Estado, em todas as análises que fizemos, e não era bom para a companhia", declarou, lembrando ainda que na altura "Humberto Pedrosa e David Neeleman disseram publicamente que não investiriam se o negócio fosse este".

Sérgio Monteiro, que agora integra o Fundo de Resolução Bancário para liderar a venda do Novo Banco, realçou que continua a defender as opções tomadas enquanto esteve no Governo, considerando que o processo de privatização da TAP, reaberto em 2012, não foi feito à pressa.

O antigo governante desvalorizou que o contrato de venda de 61% do capital do grupo TAP ao consórcio Atlantic Gateway tenha sido celebrado num período em que o Governo de Passos Coelho se encontrava com poderes de gestão face à demissão ocorrida a 10 de novembro na Assembleia da República com a votação da rejeição do programa do XX Governo.

"Tratava-se de executar contratos que estavam já fechados anteriormente", disse, defendendo, "de cabeça levantada e de peito aberto, as opções tomadas, fundamentadas em critérios que norteavam a defesa do interesse público".

Hoje, Sérgio Monteiro enfatizou as dificuldades de tesouraria que o grupo TAP atravessava, especificando que chegou mesmo, a pedido do conselho de administração executiva, a falar com alguns fornecedores da empresa para atrasar o pagamento de dívidas.

"A situação de tesouraria era tão grave que tive que falar com alguns fornecedores da empresa para atrasar o pagamento. Lembro-me do caso da Airbus, em que havia o risco de perder o dinheiro que já tinha sido dado", acrescentou.

Admitindo a existência de diferenças ideológicas com o PS, o ex-secretário de Estado responsável pela venda de 61% da TAP ao consórcio de Humberto Pedrosa e David Neeleman, realçou que mais importante era o projeto proposto pelos concorrentes à transportadora.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?