Ryanair lança 17 novas rotas a partir de Portugal

A companhia aérea ​​​​​​​low-cost anunciou a programação para o próximo verão, passando a ter um total de 170 rotas a partir de Portugal.

A Ryanair vai ter mais 17 rotas a partir de Portugal no próximo verão. A companhia aérea anunciou nesta segunda-feira a programação para o próximo verão e, entre as novidades está que a transportadora a partir de Lisboa passará a ter ligações a: Bari, Madeira, Oujda, Veneza e Poitiers.

A partir de Faro vai acrescentar uma rota para o Luxemburgo e do Porto terá mais três ligações: Billund, Madeira e Verona.

E da Madeira para a ter rotas para: Bruxelas, Dublin, Lisboa, Londres, Manchester, Marselha, Milão, Nuremberga, Paris e Porto.

"Com tarifas a partir de apenas 29,99 euros, os cidadãos portugueses e outros visitantes poderão viajar para destinos como Billund, Dublin e Veneza, e desfrutar de uma merecida pausa em 2022. A Ryanair lidera a recuperação pós-Covid em Portugal, uma vez que acelera o crescimento do tráfego e do emprego nos próximos 5 anos. Tendo acrescentado 560 novas rotas e inaugurado 15 novas bases este ano, a Ryanair tem vindo a crescer no país e, no Verão de 2022, irá contar com com 65 novos aviões B737-8200 'Gamechanger'", refere a Ryanair em comunicado.

A Ryanair considera que a TAP deve libertar mais de duas centenas de slots - faixas horárias que permitem a descolagem e aterragem de aviões - no aeroporto de Lisboa, permitindo assim uma maior concorrência.

"Achamos que a TAP devia libertar no mínimo 250 slots por semana" no aeroporto de Lisboa, disse Michael O"Leary, CEO da Ryanair, em conferência de imprensa, em Lisboa. O responsável acusou a transportadora portuguesa de bloquear estas faixas horárias, procedendo apenas ao cancelamento dos voos com duas a três semanas de antecedência, impedindo outras companhias de as usarem. E deu alguns números.

De acordo com a apresentação de Michael O"Leary, entre 15 de novembro e 21 de novembro de 2019, a TAP realizou 1255 voos, sendo que no mesmo período deste ano a companhia portuguesa teve 1017 slots, tendo assim um corte de 31% dos slots. Olhando para o período de 22 de novembro e 28 de novembro, a TAP em 2019 realizou 1248 voos. No mesmo período deste ano, a TAP teve 1019 slots, o que representa um corte de 30%. "O Governo tem de forçar a TAP a libertar slots não utilizados em Lisboa", reiterou.

Durante a conferência de imprensa, o CEO da Ryanair defendeu ainda que no próximo ano a low-cost deverá ultrapassar a transportadora portuguesa, ocupando o lugar da primeira companhia aérea em Portugal. O líder da Ryanair estima que, em 2022, devendo transportar 12,5 milhões de passageiros, enquanto a TAP deverá transportar 11,5 milhões de pessoas.

Após a conferência de imprensa, questionado, o responsável da Ryanair disse ainda que um dos desafios da TAP é que antes da pandemia "a TAP era uma companhia que transportava 17 milhões de passageiros por ano". E com a pandemia é uma empresa que, num "País com 10 milhões de habitantes precisa de 3 mil milhões de euros do Ajuda de Estado", o que, na opinião de O'Leary é um consumo elevado de recursos financeiros para o que entrega.

Até porque "vai ficar consideravelmente mais pequena porque a frota vai diminuir. O que a TAP faz bem é que tem boas ligações à América Latina, [em especial ao] Brasil. E isso é valioso. Mas as ligações de curta distância são más, são muito caras, os horários não são confiáveis, cancelam voos. Acho que não conseguem competir com a easyJet e Ryanair".

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG