Rescisões no BPI não vão dar direito a subsídio de desemprego

Administração do BPI propõe pagar 2,5 meses a quatro meses por ano de trabalho a quem aderir ao plano de rescisões. Mas quem o fizer não terá subsídio

O BPI vai avançar com um novo programa de reformas antecipadas e rescisões por mútuo acordo para prosseguir a redução de trabalhadores, oferecendo entre 2,5 e quatro meses por ano aos trabalhadores que aderirem às rescisões. Este programa de rescisões, porém, avançará apenas se o banco não conseguir atingir as metas de redução através de reformas antecipadas e não dará direito a subsídio de desemprego. O banco procura cortar 350 a 400 empregos.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG