Renováveis alimentaram o país quatro dias e meio

Consumo de eletricidade durante 107 horas seguidas foi assegurado por fontes de energia limpa. País poupou na importação

O consumo de eletricidade em Portugal foi totalmente assegurado durante quatro dias e meio seguidos, por fontes renováveis, atingindo um "recorde nacional" neste século, anunciou a associação ambientalista Zero.

Em colaboração com a Associação Portuguesa de Energias Renováveis (APREN), a Zero - Associação Sistema Terrestre Sustentável analisou os dados da REN - Redes Energéticas Nacionais e concluiu que entre as 06.45 do dia 7 deste mês e as 17.45 do dia 11 deste mês, correspondendo a um total de 107 horas seguidas, "atingiu-se um recorde importante neste século". Para o presidente da APREN, António Sá Costa, trata-se de "um prenúncio do que se vai tornar realidade num futuro próximo, que serão 365 dias por ano".

António Sá Costa salienta que este marco "é também uma prova do que é possível, para todos os que duvidavam", acrescentando que, "atualmente, mais de metade da eletricidade consumida em cerca de meio ano é de renováveis, a questão é que não são ainda dias seguidos".

O especialista em energia Ribeiro da Silva realçou o facto de nesses quatro dias se ter abastecido o país "sem a emissão de uma tonelada de dióxido de carbono [CO2] para a atmosfera, o que é um ganho. O outro ganho é que não se importou carvão nem petróleo".

Referiu também que "é um teste em como é possível ter um sistema elétrico apenas alimentado por renováveis", e admitiu que "é um desafio para a implementação de políticas para uma maior eletrificação" do país, mesmo em termos de mobilidade, reportando-se aos carros elétricos. No contexto, acredita que "isso também tem de mudar e, no futuro, carros elétricos serão algo normal". O setor dos transportes é o principal responsável pelas emissões nacionais de gases prejudiciais.

Para a Zero, os dados mostram que "Portugal pode ser mais ambicioso" numa transição para um consumo líquido de energia elétrica 100% renovável, com enormes reduções das emissões de gases com efeito estufa, causadoras do aquecimento global e consequentes alterações climáticas.

Poupança

Quanto ao que o país conseguiu poupar durante os quatro dias e meio, António Sá Costa sublinha que a análise do mercado "é complicada: em termos ambientais, cada português deixou de libertar para a atmosfera 250 quilos de CO2. Quanto a valores em dinheiro, os consumidores ainda não ganharam com isso, porque têm um contrato com os comercializadores, um preço estabelecido, que não se altera com o preço a que o comercializador compra a energia".

Mas, em termos gerais, admite que "pode, no futuro, haver uma poupança, basta pensar que nos anos de 2013 e 2014, que foram muito húmidos, os preços da eletricidade proveniente das fontes hídricas desceu para 40 euros. Em 2015, um ano seco, subiu para 50 euros, e neste ano, até anteontem [sexta-feira], está em 29 euros, em média". "Não quer isto dizer que 100% renovável é gratuita, mas o preço fica mais baixo, mais estável e previsível, porque não depende das variações dos preços do petróleo e do gás", concluiu. Ribeiro da Silva acrescenta: "Para já, é um ganho para o país, ao não importar petróleo, carvão e gás."

Exclusivos