Quase dois terços dos portugueses acham que economia está má

Saúde, segurança social e custo de vida são as maiores preocupações dos inquiridos em Portugal no último Eurobarómetro.

Os portugueses já estiveram mais otimistas quanto à evolução da economia do país. São agora apenas 25% aqueles que acreditam em melhorias na situação económica ao longo dos próximos 12 meses, contra uma percentagem de 29% registada em novembro, de acordo com os dados do último Eurobarómetro divulgados esta segunda-feira. A maioria, 59% (mais 9 pontos que no inquérito anterior), acredita que tudo vai manter-se como está, e 9% esperam que piore.

O inquérito da UE, que em Portugal foi realizado no início de junho pela Marktest, volta a mostrar Portugal como um dos países mais entusiastas da União, mas também um dos mais desalentados em termos de perspetivas económicas. São quase dois terços, 61%, aqueles que entendem que a economia portuguesa está má (47% no grupo UE), com um agravamento ligeiro (mais 1 ponto percentual) face aos resultados do inquérito do outono.

Ainda assim, 37% avaliam a economia como boa - mais 1 ponto percentual que no último Eurobarómetro. É no entanto um resultado bastante abaixo da média do grupo, onde a avaliação positiva às respetivas economias nacionais está em 49%.

As perspetivas quanto ao curto-prazo da economia portuguesa, que se expandia a um ritmo de 1,8% no primeiro trimestre, acompanham de resto as expetativas portuguesas quanto à atividade no bloco dos 28. Só 24% acreditam que a economia do grupo vai melhorar, sendo que 51% acham que ficará na mesma e 5% vê a atividade a cair.

A lista de preocupações específicas de Portugal difere da média do grupo. Os inquiridos portugueses estão menos preocupados com o desemprego (19% contra uma média de 21% na UE), habitação (7% contra 13% na UE), educação (7% para 12%) ou crime (3% para 11%). A prioridade está na saúde e segurança social, a mobilizar 34% de respostas portuguesas contra 21% na média do bloco. O custo de vida tem o segundo lugar (27% para 21% na UE).

Leia a notícia completa no Dinheiro Vivo

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG