Preço das rendas sobe 9%. Há menos famílias a alugar casa

Valor médio do arrendamento em Portugal no primeiro semestre foi de cinco euros por metro quadrado, divulgou hoje o INE.

O valor da renda da casa continua a subir por todo o país. Nos primeiros seis meses de 2019, os novos contratos de arrendamento ficaram 9,2% mais caros face ao mesmo período do ano passado. O preço do metro quadrado passou de 4,80 euros para cinco euros no primeiro semestre.

Ao mesmo tempo, há cada vez menos famílias a conseguir arrendar casa. Os dados publicados esta quinta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) revelam que o número de novos contratos recuou 10,5%. Foram assinados cerca de 71 mil contratos, face a mais de 77 mil registados no período homólogo.

Há 37 municípios onde o valor mediano ultrapassa a referência nacional. Situam-se sobretudo na Área Metropolitana de Lisboa (AML) e no Algarve. É na capital que o valor mediano das rendas bate recordes: o metro quadrado custa 11,71 euros. Na prática, uma casa de 50 metros quadrados terá uma renda mediana de 585 euros na cidade de Lisboa.

Segundo a análise do INE, os municípios de Braga, Setúbal, Matosinhos e Porto destacam-se entre os municípios com mais de cem mil habitantes por terem registado as taxas de variação homólogas mais elevadas.

Ao nível das freguesias, Santo António e Misericórdia, em Lisboa, continuam a disputar o título do metro mais caro do país. Santo António manteve-se à frente no segundo semestre, atingindo os 14,12 euros, mais 7,8% face ao ano anterior. A freguesia da Misericórdia surge logo a seguir com o metro quadrado a valer 14,03 euros, mas aqui o aumento face ao primeiro semestre de 2018 foi de 13,8%.

Os maiores aumentos homólogos, acima de 20%, registaram-se em Carnide e nas Avenidas Novas. Abaixo do valor mediano do município estão as freguesias de Santa Clara e Marvila, apesar de terem sofrido aumentos homólogos superiores a 10%.

No Porto, a União das freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde detém o valor mais elevado dos novos contratos, com 9,62 euros, bem como a maior taxa de variação homóloga: 25,3%.

Menos arrendamentos em Lisboa

Dos cerca de 71 mil novos contratos assinados, mais de 23 mil foram registados na Área Metropolitana de Lisboa. Juntas, as zonas de Lisboa e Porto representam metade de todos os novos contratos de arrendamento assinados no primeiro semestre. Em contraste, no Baixo Alentejo foram registados apenas 390 novos arrendamentos.

Ainda assim, na cidade de Lisboa notou-se uma diminuição de 5,7% do número de novos contratos. No total foram celebrados 6272 arrendamentos. A maior parte (522) teve lugar em Arroios enquanto Marvila, com 58, registou o menos número de novos arrendamentos da capital.

O INE destaca ainda o Porto e Sintra, onde existem mais de 2500 novas rendas. No Porto a freguesia que se destaca com mais casas arrendadas no semestre é Paranhos, com 838 contratos. No extremo oposto, com 178 novas rendas, surge Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde.

Ana Sanlez é jornalista do Dinheiro Vivo

Exclusivos