Preço da luz também baixa no mercado livre. Endesa reduz até 6,3%

EDP Comercial, Endesa, Iberdrola e Goldenergy são as empresas que vão baixar preços em 2019.

De acordo com informações recolhidas pelo Dinheiro Vivo, além dos clientes em mercado regulado (cerca de um milhão de consumidores portugueses) servidos pela EDP Serviço Universal, e dos clientes da EDP Comercial - que no próximo ano verão as suas tarifas baixar 3,5% - também as restantes empresas a operar no mercado livre de eletricidade vão reduzir as tarifas em 2019.

"A Endesa desce os preços da eletricidade para a sua carteira de clientes uma média de 6,3%", confirmou ao Dinheiro Vivo Nuno Ribeiro da Silva, presidente da Endesa Portugal. E explica: "Apesar da constante subida do custo da eletricidade nos últimos anos, a Endesa não irá refletir essa subida nas faturas dos seus clientes, reduzindo os preços em média 6,3%".

Outra empresa que já garantiu ao Dinheiro Vivo que vai baixar as tarifas em 2019 é a Goldenergy: em 4%, diz fonte oficial da empresa. "Uma redução que só é possível em virtude do investimento que a empresa tem realizado na sua transformação digital e num aumento da sua eficiência".

Por seu lado, a Iberdrola optou por seguir a recomendação da ERSE e baixar os preços 3,5%. A empresa vai "transferir, na íntegra e para todos os seus clientes, a partir de 1 de janeiro, a redução publicada pela ERSE para 2019. Trata-se de uma redução significativa que vai refletir-se na fatura do cliente".

"Em paralelo, a Iberdrola adaptará os seus tarifários tendo em conta o contexto atual do mercado de energia, procurando continuar a disponibilizar tarifas competitivas no mercado", disse fonte oficial. Contactada, a Galp ainda não revelou ainda qual será o seu tarifário para 2019.

Já na semana passada a EDP Comercial tinha anunciado que "irá reduzir preços de eletricidade para as famílias em 2019, registando uma descida média de 3,5% para 90% destes clientes. Os restantes clientes domésticos também beneficiarão de uma redução, com ligeiras diferenças por escalão". A empresa justificou a atualização tarifária prevista para 2019 argumentando que "resulta da redução das Tarifas de Acesso à Rede, bem como da evolução de preços da eletricidade no mercado grossista."

No entanto, Nuno Ribeiro da Silva, presidente da Endesa, defende que "a descida da Tarifa de Acesso em 11% não compensou o aumento dos custos energéticos". "Nos últimos dois anos assistimos a um aumento de forma contínua dos preços de eletricidade. Se no fecho de 2017 os preços do mercado grossista foram 30% mais elevados relativamente aos do ano anterior, este ano de 2018, até ao dia de hoje, foi apresentada uma subida de quase 9% comparativamente ao ano passado. Para o ano de 2019 a situação não será diferente, está previsto um aumento ainda maior dos preços".

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG