Portugal interrompe convergência com a Europa outra vez

Último ciclo de divergência durou seis anos, de 2010 a meados de 2016. Situação estava a melhorar, mas agora parou. PIB cresce 2,5%

A convergência real da economia portuguesa com a Europa foi interrompida no terceiro trimestre deste ano. Os 28 países da União Europeia (UE) e a zona euro cresceram, em termos reais homólogos, 2,5% no período de julho a setembro; Portugal, penalizado pela desaceleração das exportações, também cresceu a esse ritmo, pondo fim a quatro trimestres consecutivos (desde o terceiro trimestre de 2016) de expansão acima da média europeia, de acordo com a estimativa rápida do INE. E o pior é que em 2018, a confirmarem-se as previsões de Bruxelas, vai ficar atrás.

A última vez que Portugal convergiu durante tanto tempo foi em 2008 e 2009. Depois disso, em meados de 2010, iniciou-se um longo ciclo de divergência na sequência da crise da dívida e da austeridade aplicada pelo governo PSD-CDS e a troika. Duraria seis anos.

Esta dinâmica face à Europa é muito importante para Mário Centeno, ministro das Finanças, e para a política económica e orçamental (da forma que é concebida), uma vez que convergir é fundamental para se aliviar o peso do défice e da dívida pública. Quanto mais o país crescer, mais fácil é "consolidar as contas públicas" no espírito do atual Pacto de Estabilidade; e menor será a pressão para cortar despesa ou subir impostos. Na apresentação do Orçamento do Estado de 2018, Mário Centeno sublinhou que "Portugal tem tido um crescimento económico e um aumento do emprego que o coloca em rota de convergência com a UE, este crescimento económico conjugado com a redução do défice permitirá a redução da dívida pública".

Agora, perante os números, desvaloriza. "Este crescimento corresponde às expectativas traçadas pelo governo no Orçamento para 2018", garantiu o ministro. Marcelo Rebelo de Sousa, o Presidente da República, mostrou-se menos otimista. "Eu diria que é uma trajetória positiva, mas que ainda não é suficiente para o grande objetivo de que falava ontem [segunda-feira] o ministro das Finanças, que é conseguirmos ir reduzindo claramente a nossa dívida pública. Temos de crescer um bocadinho mais", declarou.

Mas a realidade é que essa rota de convergência foi agora interrompida. Pior. As previsões mais recentes da Comissão Europeia dizem que, neste ano (em média), o país ainda pode convergir (cresce 2,6%, a zona euro apenas 2,2%). Mas, no próximo ano, o ciclo acaba mesmo: Portugal avança apenas 2,1%, igual ao ritmo da zona euro. Em 2019, volta a divergir: a economia nacional avança apenas 1,8%, menos do que média europeia (1,9%).

Os números ontem divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística deixam perceber que se o produto interno bruto (PIB) aumentar 2,2% no quarto trimestre deste ano (ou seja, se houver novo abrandamento), a projeção anual do governo (2,6%) é alcançada na mesma. Se a expansão real for superior a esses 2,2%, a meta do governo é superada.

Exportações fraquejam

A procura interna foi, de novo, o motor do crescimento; pelo contrário, o comércio internacional voltou a penalizar a dinâmica do PIB - as importações estão, outra vez, a crescer mais do que as exportações. "O contributo positivo da procura interna para a variação homóloga do PIB aumentou, verificando-se uma aceleração do consumo privado e um abrandamento do investimento", refere o INE. "O contributo da procura externa líquida foi negativo, contrariamente ao registado no trimestre anterior, refletindo a desaceleração em volume das exportações de bens e serviços e a aceleração das importações."

A nível europeu, o Eurostat indicou que o país da zona euro que mais cresceu no terceiro trimestre foi a Letónia (6,2%), o mais fraco foi a Bélgica (1,7%), seguido de perto por Itália (1,8%). A maior economia, a Alemanha, avançou 3%. O principal parceiro económico de Portugal, a Espanha, manteve um crescimento de 3,1%. Fora da zona euro, o Reino Unido aumentou apenas 1,5%. O país menos dinâmico da Europa é a Dinamarca (1,1% de expansão no terceiro trimestre); o crescimento mais forte acontece na Roménia, com uns impressionantes 8,6%.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.