Portugal ainda é o segundo país com maiores vendas de carros a gasóleo

Gasolina foi o combustível que mais beneficiou com a quebra na venda dos veículos a diesel no ano passado. Portugal é o quarto país com mais vendas de carros elétricos na Europa.

Portugal teve a segunda maior quebra nas vendas de carros novos a gasóleo no ano passado em toda a Europa. No entanto, ainda é o segundo país onde mais se compra automóveis a diesel entre os 28 Estados membros, segundo dados publicados nesta semana pela ACEA, a associação que representa as fabricantes de automóveis do Velho Continente.

No ano passado, a quota de mercado dos carros a gasóleo em Portugal caiu de 53,3%, para 40% - apenas a Roménia teve uma quebra mais expressiva, de 13,9 pontos percentuais. A Irlanda, ainda assim, é o único país que continua à frente de Portugal nas vendas dos diesel, com uma quota de mercado de 46,6%. A "ilha verde" é o único país europeu onde o gasóleo ainda tem mais procura do que a gasolina.

O peso do gasóleo em Portugal "deve-se, em grande parte, a questões fiscais, dado que os veículos a diesel podem deduzir, em 50%, as despesas com o combustível e as reparações", justifica Helder Pedro, secretário-geral da ACAP - Associação Automóvel de Portugal, em declarações ao DN/Dinheiro Vivo.

Os dados da ACEA realçam a grande transformação que está a ocorrer no mercado automóvel. Em 2015, a quota de mercado do gasóleo em Portugal era de 67,5%, o que correspondia ao segundo lugar, segundo os dados facultados pela ACEA ao DN/Dinheiro Vivo. Em apenas cinco anos, registou-se uma quebra de 19,4 pontos percentuais, a sexta maior descida entre os 24 países avaliados. A maior redução nos últimos cinco anos ocorreu na Grécia, onde o peso do gasóleo travou, de 63,2% para 26,6%.

Por causa da queda na venda dos diesel, os carros novos a gasolina foram os mais beneficiados nas vendas e voltaram a ser os preferidos dos portugueses: a quota de mercado deste combustível subiu 9,9 pontos percentuais, para 49,2%. A mesma mudança foi feita no ano passado pela Itália e pela Bulgária. Entre 2015 e 2019, a quota de mercado dos carros a gasolina subiu 19,4 pontos percentuais. Foi a sétima maior subida entre os 24 países avaliados. O maior aumento registou-se na Letónia, de 35,1% para 65,1%.

Portugal sobe na tabela dos elétricos

Os portugueses também estão a apostar cada vez em mais carros alternativos. O peso dos automóveis a gás natural, GPL, híbridos e elétricos subiu para 10,9% no ano passado, ultrapassando pela primeira vez a fasquia dos 10%. O maior peso neste mercado foi para os automóveis totalmente elétricos e híbridos plug-in (com tomada de carregamento), que representaram 5,7% das vendas. Portugal repetiu a quarta posição nas vendas destes automóveis na Europa.

"As marcas têm cada vez mais oferta de veículos elétricos, ou híbridos plug-in", assinala o secretário-geral da ACAP. "É um lugar impensável há poucos anos", destaca Henrique Sánchez. O líder da associação dos utilizadores de veículos elétricos recorda que, "em 2015, Portugal ocupava o décimo lugar, com 0,7%".

Apesar do crescimento nos últimos cinco anos, Portugal está longe dos Países Baixos, onde os carros de muito baixas emissões já representam 16,3%. A Finlândia é o país onde os carros alternativos têm maior quota de mercado: 22,4%. Neste segmento, Portugal está na sétima posição.

Com o lançamento esperado de mais de duas dezenas de modelos de carros elétricos neste ano, é expectável que as vendas destes veículos continuem a acelerar. Não só porque "será alargada a oferta ao gosto e às possibilidades económicas dos consumidores portugueses" como as marcas "têm de cumprir o limite de 95g/km de emissões no espaço europeu", entende o líder da UVE. Só que para os condutores continuarem a comprar estes carros "os incentivos do Estado são fundamentais, conclui Helder Pedro, da ACAP.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG