Plataforma de criptomoedas FTX em processo de falência nos EUA

Nos últimos dias, as dúvidas sobre a solvência da companhia aumentaram, o que levou muitos utilizadores a retirarem o seu dinheiro, deixando a FTX sem liquidez, situação que levou a plataforma de criptomoedas pedir falência nos Estados Unidos.

A plataforma de criptomoedas FTX anunciou esta sexta-feira que pediu falência nos Estados Unidos e que o seu fundador e presidente executivo, Sam Bankman-Fried, se demitiu.

A decisão confirma o colapso total desta plataforma, uma das mais importantes do setor, chegando a estar avaliada em 32.000 milhões de dólares e que nos últimos dias colapsou devido a falta de liquidez, com os utilizadores a retirarem rapidamente os seus fundos.

Em comunicado, a FTX assegurou que a declaração de falência é a medida adequada para gerir os ativos da empresa e proteger os interesses dos seus acionistas.

O processo afetará cerca de 130 empresas afiliadas, incluindo a sua empresa de investimento Alameda Research, mas não as subsidiárias Ledgerx.LLC, FTX Digital Markets, LTD, FTX Australia e FTX Express Pay, segundo a agência Efe.

A companhia anunciou que o cargo de presidente executivo será ocupado por John J. Ray III e disse que Bankman-Fried e muitos funcionários da empresa vão continuar a trabalhar para apoiar o novo líder e profissionais independentes durante o processo de falência.

A medida foi conhecida horas depois de as autoridades das Bahamas, onde a FTX tem a sua sede, congelarem os ativos do grupo e terem dado os primeiros passos para nomear um encarregado de liquidar uma das suas entidades.

A FTX deslocou-se para as Bahamas a partir de Hong Kong, onde tinha começado a operar e se tinha estabelecido como uma das plataformas de maior êxito no setor das criptomoedas.

Nos últimos dias, as dúvidas sobre a solvência da companhia aumentaram por várias informações, o que levou muitos utilizadores a retirarem o seu dinheiro, deixando a FTX sem liquidez e procurando um resgate.

A situação complicou-se ainda mais na quarta-feira, quando a Binance, a principal plataforma de criptomoedas, anunciou que retirava a oferta de compra que tinha feito um dia antes, quando tinha apresentado uma proposta para apoiar a sua rival.

"A nossa intenção inicial era apoiar os clientes da FTX na sua procura de liquidez, mas o assunto escapa ao nosso controlo e à nossa capacidade de ajuda", assinalou a Binance em comunicado.

A decisão levou a uma nova queda do FTT, o ativo digital da FTX, e a fortes perdas em todo o mercado de criptomoedas, apenas um ano depois de a bitcoin, a criptomoeda mais importante, ter alcançado o seu máximo histórico.

Na quinta-feira, Bankman-Fried pediu desculpas e admitiu que cometeu erros na hora de calcular os níveis de liquidez que eram necessários, bem como na hora de dar explicações sobre a situação da plataforma quando começou a crise.

O multimilionário, de 30 anos, disse estar a fazer o possível para obter liquidez e evitar o colapso, que acabaria por acontecer esta sexta-feira, com um buraco financeiro que estará estimado em 8.000 milhões de dólares.

Entretanto surgiram numerosos detalhes sobre o funcionamento da plataforma, incluindo alegações de a FTX ter usado milhões de dólares depositados por clientes para financiar investimentos de risco.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG