Pedro de Almeida: "Grupo VW vai tornar-se prestador de serviços de mobilidade e conveniência"

Entrevista a Pedro de Almeida, administrador executivo da SIVA desde 2017

Pedro de Almeida espera que a legislação europeia autorize os veículos autónomos este ano, porque os considera mais seguros. O CEO da SIVA, que representa o grupo VW, diz que o futuro das marcas está na prestação de serviços e defende que Portugal crie novos incentivos para aumentar a adesão aos veículos elétricos.

Como é que o Grupo Volkswagen vê o futuro da mobilidade?

O Grupo VW vê uma revolução a acontecer no setor automóvel. De um lado temos a procura de uma circulação mais eficiente e o menor sentimento de posse face aos carros das novas gerações. Do outro, a pressão ambiental. E a tecnologia, por seu turno, leva-nos à eletrificação e à condução autónoma. O grupo quer aproveitar e liderar as oportunidades desta revolução e definiu uma estratégia que se chama Toguether 2025.

Quais os passos dessa estratégia?

O Grupo VW vai assumir-se essencialmente como prestador de serviços de mobilidade. Isso vai acontecer através de serviços, que podem ser de carsharing, assistência na rua e, devido à crescente conectividade do carro, vendas de acessórios ou pagamentos de gasolina. Pode ser diretamente ou por via de parcerias.

Um exemplo disso é a Moia...

A MOIA é uma marca do Grupo VW, uma empresa de mobilidade, que está a desenvolver um carro, que há de ser um minibus autónomo elétrico e partilhado. Este investimento é um exemplo da forte aposta na mobilidade do futuro.

A revolução a que aludiu vai passar mais por híbridos do que por elétricos?

Há uma visão comum das marcas: em 2030 teremos qualquer coisa como 20% a 25% de carros elétricos. Essa alteração já poderá ser suficiente para nos obrigar a repensar o serviço pós-venda. Mas ainda vamos continuar a ter 75% a 80% de veículos a combustão. Em relação aos carros autónomos, não há previsões muito claras. Por exemplo, o Audi A8 tem um grau A3 de autonomia mas não pode ser usado na UE, porque nenhum país europeu tem legislação adequada. Talvez em 2018 isso venha a ocorrer. Em 2025 acho que 100% dos carros vão estar conectados. Essa ligação dos carros ao mundo abre um leque de oportunidades de novos serviços convenientes.

Um exemplo de novos serviços pode passar por rentabilizar o nosso carro?

Sim, há experiências em que, através de um acordo com uma empresa logística que transporta volumes, os carros dos clientes fazem esse transporte e ganham dinheiro com isso.

Quantos modelos elétricos e híbridos tem o grupo e quantos espera vir a ter?

A VW tem dois elétricos e dois híbridos: o Up e o Golf elétrico e o Golf Passat. A Audi tem o A3 e o Q7 híbridos. Até 2021 estima-se que as marcas do grupo tenham mais de 20 modelos elétricos ou híbridos.

Como têm evoluído as vendas deste segmento em Portugal? Que previsões?

Duplicam de ano para ano. Venderam-se perto de mil em 2016 e perto de dois mil em 2017, ou seja, o crescimento percentual é alto, mas a base ainda é muito baixa. Prevê-se um crescimento elevado.

Quais os maiores obstáculos a esse crescimento: os preços, a autonomia, a falta de postos de carregamento?

A autonomia e o preço são com certeza obstáculos e também ajudaria ter mais postos de carregamento. Mas acho que há, sobretudo, poucas vantagens de conveniência para os compradores. Por exemplo, na Noruega, em que mais de 50% das vendas são de elétricos, há incentivos de conveniência como o não pagar o ferry boat nem estacionamento ou poder andar com o carro na faixa bus.

Faz sentido adotar um modelo semelhante em Portugal?

Acho que faria todo o sentido pensar em incentivos de conveniência.

A tecnologia já criou a condução autónoma, mas não está a avançar. É um problema de confiança e segurança?

Isso acontece porque legislar envolve pessoas. Imagine uma situação de risco em que a inteligência do carro tem de decidir se bate numa pessoa que está do lado direito ou noutra que está do lado esquerdo. De quem é a responsabilidade? E se o carro for autónomo e partilhado? Não é óbvio quem vai ser responsabilizado. Em matéria de segurança o erro de um carro autónomo é menor do que de um ser humano. Estes carros vão bater menos.

Exclusivos

Premium

João Taborda da Gama

Linhas cinzentas

Era muito arrogante, mas era verdade, e como era verdade e era arrogante eu não me cansava de o dizer, quando na minha vida a arrogância e a verdade tinham um peso maior do que hoje. E o que era verdade é que já tinha ido mais vezes a Paris do que a Cascais e o que era arrogante era dizê-lo em todo o lado, junto de quem quer que fosse, mesmo quem nunca tivesse ido a Paris, ou a Cascais, e quisesse. Tenho vindo aqui mais vezes nos últimos tempos descobrir novos nomes, novas terras, pôr caras nas terras, de Bicesse, que em criança achava ser em Angola, a Pau Gordo, que não sabia que existia.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Na hora dos lobos

Na ação governativa emergem os sinais de arrogância e de expedita interpretação instrumental das leis. Como se ainda vivêssemos no tempo da maioria absoluta de um primeiro-ministro, que o PS apoiou entusiasticamente, e que hoje - acusado do maior e mais danoso escândalo político do último século - tem como único álibi perante a justiça provar que nunca foi capaz de viver sem o esbulho contumaz do pecúlio da família e dos amigos. Seria de esperar que o PS, por mera prudência estratégica, moderasse a sua ação, observando estritamente o normativo legal.

Premium

Rogério Casanova

Arquitectura fundida

Uma consequência inevitável da longevidade enquanto figura pública é a promoção automática a um escalão superior de figura pública: caso se aguentem algumas décadas em funções, deixam de ser tratadas como as outras figuras públicas e passam a ser tratadas como encarnações seculares de sábios religiosos - aqueles que costumavam ficar quinze anos seguidos sentados em posição de lótus a alimentar-se exclusivamente de bambu antes de explicarem o mundo em parábolas. A figura pública pode não desejar essa promoção, e pode até nem detectar a sua chegada. Os sinais acumulam-se lentamente. De um momento para o outro, frases suas começam a ser citadas em memes inspiradores no Facebook; há presidentes a espetar-lhes condecorações no peito, recebe convites mensais para debates em que se tenciona "pensar o país". E um dia, subitamente, a figura pública dá por si sentada à frente de uma câmera de televisão, enquanto Fátima Campos Ferreira lhe pergunta coisas como "Considera-se uma pessoa de emoções?" ou "Acredita em Deus?".

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Ler e/ou escrever

Há muitos anos, recebi um original de ficção de uma autora estreante que pedia uma opinião absolutamente sincera sobre a sua obra. Designar por "obra" o que ainda não devia passar de um rascunho fez-me logo pensar em ego inflamado. Por isso decidi que, se a resposta fosse negativa, não entraria em detalhes, sob o risco de o castelo de cartas cair com demasiado estrondo. Comecei pela sinopse; mas, além de só prometer banalidades, tinha uma repetição escusada, uma imagem de gosto duvidoso, um parêntese que abria e não fechava e até um erro ortográfico que, mesmo com boa vontade, não podia ser gralha. O romance propriamente dito não era melhor, e recusei-o invocando a estrutura confusa, o final previsível, inconsistências várias e um certo desconhecimento da gramática.