Patrões e UGT próximos de acordo laboral

CGTP não se revê na proposta e acusa governo de estar a promover a manutenção da precariedade

As confederações patronais admitem vincular-se a um acordo sobre o pacote laboral de combate à precariedade, mas para que da reunião da concertação social de hoje saia fumo branco será necessário que o texto que o ministro Vieira da Silva vai colocar em cima da mesa tenha acolhido algumas das sugestões que os patrões lhe foram fazendo chegar nestes últimos dias. A expectativa é que o texto final "tenha melhorado" face ao que foi apresentado na semana passada e abra caminho à assinatura de um acordo, ao qual a UGT também pondera juntar-se. A CGTP distancia-se e teceu ontem duras críticas a algumas das medidas, que classifica de "inadmissíveis".

"Tudo depende do documento final que o governo nos vai trazer", começa por referir o presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) que, em declarações ao DN/Dinheiro Vivo, salientou não acreditar que o trabalho realizado nestes últimos dias não resulte "numa posição melhorada" face à proposta que foi apresentada aos parceiros na quinta-feira.

Ou seja, há abertura para assinar um acordo, mas "dentro de um quadro de razoabilidade", afirma António Saraiva. Também o presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal refere que o texto tem de ser alterado para que possa ter luz verde da CCP. "Não colocámos linhas vermelhas, mas fizemos um conjunto de sugestões ao governo. Se nada for acolhido, vai ser difícil subscrever o documento", precisa João Vieira Lopes, fazendo uma leitura idêntica à Confederação do Turismo de Portugal que também sugeriu mudanças.

Entre as alterações que defendem, a CCP e a CTP incluem a eliminação da nova lógica da renovação dos contratos a prazo. Ou seja, aceitam que o período máximo destes contratos possa ser reduzido de 3 para 2 anos, mas contestam a ideia de que as renovações não possam exceder a duração inicial.

A CCP também tem reservas sobre a taxa contributiva para penalizar com níveis de rotatividade acima da média do setor e discorda que as empresas de trabalho temporário possam ser apanhadas por esta penalização. Já a CTP, junta a esta lista um afinamento na proposta do governo aos bancos de horas grupais alcançados por consulta aos trabalhadores. A fórmula prevista é "complicada", precisa Francisco Calheiros, salientando que as sugestões vão no sentido de acompanhar o corpo principal do texto do governo, mas defendendo alterações específicas que o clarificam.

António Saraiva não detalha as mudanças que sugeriu, e que poderão levantar as "reservas" da CIP, e espera que uma vez alcançado um acordo na concertação social, este seja acompanhado ao nível parlamentar. Esta é também a expectativa da UGT, tendo Carlos Silva adiantado ao DN/Dinheiro Vivo que, se for alcançado um acordo, a UGT pretende marcar reuniões com todos os partidos para os sensibilizar para a importância de o viabilizarem. Vieira Lopes passa a bola ao governo dizendo que é a este que cabe garantir maiorias políticas.

A proposta vai a votos dia 6 de julho, mas é já quase certo de que não contará com o apoio do PCP e do BE que estão contra o alargamento do período experimental (de 90 para 180 dias) e o facto de se manter a caducidade dos acordos coletivos.

Antes de os partidos se pronunciarem, também a CGTP deverá deixar bem clara a sua oposição a algumas das medidas. Num comunicado ontem emitido, a central sindical liderada por Arménio Carlos explica que não aceita o alargamento do período experimental e que não seja dado aos contratos de trabalho temporário (6 renovações) o mesmo tratamento dado aos a prazo.

Exclusivos

Premium

Primeiro-secretário da Área Metropolitana de Lisboa

Carlos Humberto: "Era preciso uma medida disruptiva que trouxesse mais gente ao transporte coletivo"

O novo passe Navegante abriu aos cidadãos da Área Metropolitana de Lisboa a porta de todos os transportes públicos, revolucionando o sistema de utilização dos mesmos. A medida é aplaudida por todos, mas os operadores não estavam preparados para a revolução e agudizaram-se problemas antigos: sobrelotação, tempos de espera, supressão de serviços, degradação de equipamentos.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Berlim, junto aos Himalaias

Há 30 anos exatos, Berlim deixou de ser uma ilha. Vou hoje contar uma história pessoal desse tempo muralhado e insular, num dos mais estimulantes períodos da minha vida. A primeira cena decorre em dezembro de 1972, no Sanatório das Penhas da Saúde, já em decadência. Com 15 anos acabados de fazer, integro um grupo de jovens que vão treinar na neve abundante da serra da Estrela o que aprenderam na teoria sobre escalada na neve e no gelo. A narrativa de um alpinista alemão, dos anos 1920 e 1930, sobre a dureza das altas montanhas, que tirou a vida a muitos dos seus companheiros, causou-me uma forte impressão. A segunda cena decorre em abril de 1988, nos primeiros dias da minha estada em Berlim, no árduo processo de elaboração de uma tese de doutoramento sobre Kant. Tenho o acesso às bibliotecas da Universidade Livre e um quarto alugado numa zona central, na Motzstrasse. Uma rua parcialmente poupada pela Segunda Guerra Mundial, e onde foram filmadas em 1931 algumas das cenas do filme Emílio e os Detectives, baseado no livro de Erich Kästner (1899-1974).Quase ao lado da "minha" casa, viveu Rudolf Steiner (1861-1925), fundador da antroposofia. Foi o meu amigo, filósofo e ecologista, Frieder Otto Wolf, quem me recomendou à família que me acolhe. A concentração no estudo obriga a levantar-me cedo e a voltar tarde a casa. Contudo, no primeiro fim de semana almoço com os meus anfitriões. Os dois adolescentes da família, o Boris e o Philipp, perguntam-me sobre Portugal. Falo no mar, nas praias, e nas montanhas. Arrábida, Sintra, Estrela... O Philipp, distraidamente, diz-me que o seu avô também gostava de montanhas. Cinco minutos depois, chego à conclusão de que estou na casa da filha e dos netos de Paul Bauer (1896-1990), o autor dos textos que me impressionaram em 1972. Eles ficam surpreendidos por eu saber da sua existência. E eu admirado por ele ainda se encontrar vivo. Paul Bauer foi, provavelmente, o maior alpinista alemão de todos os tempos, e um dos pioneiros das grandes montanhas dos Himalaias acima dos 8000 metros. Contudo, não teria êxito em nenhuma das duas grandes montanhas a que almejou. As expedições que chefiou, em 1929 e 1931, ao pico de 8568 metros do Kanchenjunga (hoje, na fronteira entre a Índia e o Nepal) terminaram em perdas humanas. Do mesmo modo, o Nanga Parbat, com os seus 8112 m, seria objeto de várias expedições germânicas marcadas pela tragédia. Dez mortos na expedição chefiada por Willy Merkl, em 1934, e 16 mortos numa avalancha, na primeira expedição comandada por Paul Bauer a essa montanha paquistanesa em 1937. A valentia dos alpinistas alemães não poderia substituir a tecnologia de apoio à escalada que só os anos 50 trariam. Bauer simboliza, à sua maneira, esse culto germânico da vontade, que tanto pode ser admirável, como já foi terrível para a Alemanha, a Europa e o mundo. Este meu longo encontro e convívio com a família de Paul Bauer, roça o inverosímil. Mas a realidade gosta de troçar do cálculo das probabilidades.