“Orçamento da zona euro não é um instrumento muito promissor”

Think tank de Bruxelas Bruegel alerta para a crescente desigualdade no espaço do euro, e põe a tónica na União Bancária e nos fundos de coesão.

Não há acordo que una os ministros liderados por Mário Centeno, o ministro das Finanças português que preside ao Eurogrupo e que, esta sexta-feira, voltou a encontrar-se para debater, sem avanços, o futuro instrumento orçamental dos países da moeda única – um já não focado na estabilidade fiscal, mas antes no objetivo de fazer convergir os Estados-membros. Em Bucareste, na Roménia, os 19 do euro atiraram hoje a discussão de um orçamento comum para junho.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG