OCDE melhora previsões económicas para Portugal

As previsões da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico melhoraram face às publicadas em dezembro, quando estimava um crescimento do PIB português em 1,7% para 2021 e em 1,9% para 2022.

A OCDE melhorou as projeções para a economia portuguesa, estimando agora um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 3,7% este ano e de 4,9% no próximo, ainda assim abaixo das expetativas do Governo.

"Após uma queda acentuada em 2020, projeta-se que o PIB aumente 3,7% em 2021 e 4,9% em 2022", pode ler-se no relatório com as previsões económicas mundiais divulgado esta segunda-feira (Economic Outlook) pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

As previsões da OCDE melhoraram face às publicadas em dezembro, quando a organização estimava um crescimento do PIB português em 1,7% para 2021 e em 1,9% para 2022.

Apesar da revisão em alta, as projeções da OCDE mantêm-se inferiores às do Governo, que estima um crescimento de 4% para 2021 e de 4,9% para 2022, tendo o ministro das Finanças, João Leão, já manifestado, em entrevista à Lusa, a expectativa de chegar aos 5%.

No relatório, a OCDE destaca o crescimento do consumo, com uma redução gradual da poupança, à medida que a situação sanitária melhora e as medidas de contenção são eliminadas. "A forte atividade no setor transformador e a absorção de fundos da União Europeia apoiarão o investimento e as exportações", mas o turismo e os serviços vão recuperar "apenas gradualmente, até que a pandemia esteja totalmente sob controlo", lê-se no capítulo dedicado a Portugal.

A OCDE diz que a política orçamental deve manter-se favorável até que a recuperação esteja firmemente em andamento, "mas o apoio financeiro deve ser direcionado às empresas em dificuldades que ainda têm perspetivas viáveis". "Acelerar a implementação do Plano de Recuperação e Resiliência [PRR], ao mesmo tempo que se promove uma regulamentação favorável à concorrência, ganhos de eficiência nos serviços públicos e investimento verde, será fundamental para uma recuperação forte e sustentável", sublinha a organização.

No relatório, a OCDE destaca ainda que o aumento do desemprego, sobretudo entre os jovens e os trabalhadores pouco qualificados, o que exige "o reforço da capacidade dos serviços públicos de emprego para darem apoio na procura de emprego e formação".

A OCDE prevê que a taxa de desemprego em Portugal seja de 7,4% este ano (contra 6,8% em 2020) e desça para 7% em 2022.

Quanto a previsões para a economia portuguesa de outras organizações, o Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê um crescimento do PIB português em 3,9% em 2021 e em 4,8% em 2022, enquanto a Comissão Europeia estima 3,9% e 5,1%, respetivamente.

Economia da zona euro deverá crescer 4,3% em 2021 e 4,4% em 2022

A economia da zona euro deverá crescer 4,3% este ano e 4,4% no próximo. No anterior relatório, publicado em dezembro, a OCDE previa crescimentos de 3,6% e de 3,3% para 2021 e 2022, respetivamente.

"À medida que as medidas de confinamento são gradualmente suspensas, o crescimento económico deve recuperar fortemente no segundo semestre deste ano", diz a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

Segundo a organização internacional, a economia da zona euro deverá crescer 4,3% em 2021 e 4,4% em 2022 "impulsionada pelo consumo privado, um apoio orçamental considerável e uma procura externa vigorosa, nomeadamente dos Estados Unidos".

"Prevê-se que o desemprego diminua para perto dos níveis anteriores à crise até 2022", indica ainda a OCDE, sublinhando que "uma implementação rápida e eficaz do plano de recuperação da União Europeia reforçaria ainda mais a recuperação".

A OCDE defende que, com a inflação a permanecer abaixo do objetivo do BCE até ao final de 2022, a política monetária deve permanecer acomodatícia e as políticas orçamentais nacionais "devem continuar a apoiar até que a recuperação ganhe ímpeto e mude cada vez mais para a promoção da realocação de recursos a favor da descarbonização e digitalização".

"O aumento do investimento público é fundamental", diz a OCDE, acrescentando que para o período pós-crise, "a área do euro também precisa de uma nova estratégia de política monetária, com uma reação de política igualmente forte quando a inflação está acima e abaixo do objetivo do BCE".

A OCDE prevê ainda que a taxa de desemprego na zona euro se situe em 8,2% em 2021 (contra 7,9% em 2020) e em 7,9% em 2022.

Crescimento da economia mundial em alta: 5,8% em 2021 e 4,4% em 2022

A OCDE melhorou as previsões para a economia mundial, estimando um crescimento de 5,8% em 2021 e de 4,4% em 2022. "A economia mundial retornou aos níveis de atividade pré-pandemia, mas permanecerá aquém do que era esperado antes da crise no final de 2022", pode ler-se no relatório.

No anterior relatório, publicado em dezembro, as previsões da OCDE para a economia mundial eram de um crescimento de 4,2% para 2021 e de 3,7% para 2022.

"As perspetivas para a economia global melhoraram consideravelmente, mas em graus diferentes entre as economias", realça a organização internacional, acrescentando que, nas economias avançadas, o lançamento de uma vacina eficaz contra a covid-19 permitiu a reabertura de várias atividades, ao mesmo tempo que os estímulos orçamentais ajudaram a impulsionar a procura e a reduzir "os riscos de cicatrizes consideráveis de longo prazo da pandemia".

Segundo a OCDE, apesar de ser provável que em 2022 haja uma moderação nos apoios de resposta à covid-19, a confiança deverá melhorar e as menores restrições de saúde pública deverão encorajar as famílias a gastar.

No entanto, em muitas economias emergentes, "a implementação lenta da vacinação, novos surtos de infeção e medidas de contenção associadas continuarão a conter o crescimento por algum tempo, especialmente onde a margem para apoio político é limitada.

O crescimento da economia na área da OCDE pode aumentar para 5,3% em 2021, liderado por uma forte recuperação nos Estados Unidos, e cair para 3,8% em 2022, indica a organização.

"A produção na China já alcançou esse caminho e deve permanecer nessa trajetória em 2021 e 2022", lê-se no relatório, que refere ainda que algumas outras economias de mercado emergente, incluindo a Índia, podem continuar a ter grandes quebras no Produto Interno Bruto( PIB) em relação às expectativas pré-pandemia, prevendo taxas robustas de crescimento apenas quando o impacto do vírus diminuir.

A OCDE prevê que o PIB dos Estados Unidos cresça 6,9% em 2021 e 3,6% em 2022. O PIB da China deverá crescer 8,5% este ano e 5,8% em 2022. Para a Índia é projetado um aumento do PIB em 9,9% este ano e em 8,2% no próximo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG