Novas e melhores previsões para o Brasil: vai crescer em 2017

A recessão foi "mais leve" do que esperado e o país deverá crescer 0,5% no próximo ano

O Fundo Monetário Internacional reviu hoje a estimativa da recessão no Brasil para 3,3%, melhorando 0,5 pontos percentuais face ao previsto em abril, e antecipa agora uma expansão de 0,5% em 2017.

"A confiança dos consumidores e empresários parece ter já batido no fundo no Brasil, e a recessão do PIB no primeiro trimestre foi mais leve que a antecipada", lê-se na atualização ao 'World Economic Outlook', hoje publicada.

No documento, que atualiza as projeções feitas no relatório do abril, e que está muito centrado nos efeitos do referendo que ditou a saída do Reino Unido da União Europeia, os peritos do FMI acrescentam que "está projetado que a recessão de 2016 seja ligeiramente menos severa [de 3,8% para 3,3% do PIB], com um regresso ao crescimento positivo em 2017".

Os analistas afirmam, no entanto, que "as incertezas políticas mantêm-se e podem ensombrar a perspetiva de evolução" da economia brasileira, a maior da América Latina, e que já no ano passado sofreu uma recessão de 3,8%.

A economia global, por seu turno, deverá crescer 3,1% este ano e 3,4% em 2017, o que mostra um corte de 0,1 pontos percentuais face à estimativa de abril.

No relatório, dominado pelas consequências da saída do Reino Unido da União Europeia no seguimento do referendo, o FMI escreve que "o resultado do referendo no Reino Unido, que surpreendeu os mercados financeiros globais, implica a materialização de um risco descendente importante para a economia mundial", o que tem como consequência piores perspetivas económicas para 2016-2017, apesar do desempenho melhor do que o esperado no início de 2016.

O FMI argumenta ainda que piorou as suas expectativas devido ao "aumento considerável da incerteza, incluindo na frente política", alertando que esta incerteza poderá penalizar a confiança e o investimento.

Ainda assim, as projeções hoje apresentadas consideram "a assunção benigna" de que há uma redução gradual da incerteza, que há acordos entre o Reino Unido e a União Europeia que impedem um aumento das barreiras comerciais, que garantem que não há uma disrupção grande nos mercados financeiros e que as consequências políticas do 'Brexit' são limitadas.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.