Lucros do Goldman Sachs crescem 58% no terceiro trimestre

Apesar dos bons resultados neste terceiro trimestre, nos primeiros nove meses do ano, os lucros ficaram 1% abaixo dos registados há um ano

O banco norte-americano Goldman Sachs anunciou hoje que os seus lucros no terceiro trimestre cresceram 58% face ao período homólogo de 2015 e ficaram em 2,1 mil milhões de dólares (1,91 mil milhões de euros).

O lucro por ação no terceiro trimestre foi de 4,88 dólares (quando tinha sido de 2,90 dólares no terceiro trimestre de 2015) e o volume de negócios atingiu 8,17 mil milhões de dólares, uma subida de 19%.

Os analistas esperavam que o Goldman Sachs tivesse no terceiro trimestre um lucro de 3,82 dólares por ação, tendo o resultado superado as expectativas.

Apesar dos bons resultados neste terceiro trimestre, nos primeiros nove meses do ano, os lucros ficaram 1% abaixo dos registados há um ano.

Entre janeiro e setembro, os lucros do grupo alcançaram 4,93 mil milhões de dólares, quando no mesmo período de 2015 tinham atingido 4,99 mil milhões.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.