Juros do crédito à habitação estão a subir há seis meses

Em maio, a taxa de juro no conjunto dos contratos de crédito à habitação aumentou para 1,080%.

Desde junho de 2016 que os juros do crédito à habitação não eram tão elevados. Em maio, a taxa de juro implícita no conjunto dos contratos de crédito da casa fixou-se em 1,080%. Os números foram publicados esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

O aumento das taxas acontece pelo sexto mês consecutivo. Em abril o juro da totalidade dos contratos era de 1,073%, menos 0,7 pontos base. Em junho de 2016, há quase três anos, a taxa registada era de 1,089%.

Já nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro recuou de 1,411% para 1,394% em maio. Nestes créditos, o montante médio da prestação desceu cinco euros, para os 331 euros.

Na totalidade dos contratos o capital médio em dívida subiu 94 euros, para um total de 52 780 euros. A prestação média vencida manteve-se estável, nos 246 euros.

Deste valor, destaca o INE 47 euros, ou 19%, correspondem ao pagamento de juros. Já 199 euros, ou 81%, dizem respeito a capital amortizado.

Nos contratos celebrados nos últimos três meses, o montante médio do capital em dívida fixou-se em 100 518 euros, uma queda de 373 euros face a abril, revela o INE.

Ana Sanlez é jornalista do Dinheiro Vivo

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG