Venezuela: FMI prevê inflação de um milhão por cento

O Fundo Monetário Internacional (FMI) atualizou as projeções económicas para a América Latina até finais de 2018, prevendo que a Venezuela vai enfrentar uma queda de 18% do PIB e uma inflação de 1.000.000%.

"A Venezuela continua mergulhada numa profunda crise económica e social. Segundo as projeções, o PIB real vai reduzir-se em aproximadamente 18% em 2018 - o terceiro ano consecutivo de quedas de dois dígitos - devido à redução significativa na produção de petróleo e distorções generalizadas a nível micro, às quais se somam grandes desequilíbrios económicos", segundo o FMI.

"Prevemos que a inflação dispare 1.000.000% até o final de 2018, o que indica que a situação na Venezuela é semelhante à da Alemanha em 1923 e à do Zimbabué" no final da primeira década deste século, pode ler-se no documento "Perspetivas para as Américas: uma recuperação mais difícil".

O FMI sublinha ainda "que o governo (venezuelano) continuará a registar grandes défices fiscais, financiados exclusivamente com a expansão da base monetária, alimentando a aceleração da inflação, à medida que a demanda de dinheiro continue caindo".

"O colapso da atividade económica, a hiperinflação e a deterioração cada vez maior no fornecimento de bens públicos (saúde, eletricidade, água, transporte e segurança), juntamente com a escassez de alimentos a preços subsidiados, têm gerado grandes fluxos migratórios, que intensificarão os efeitos de contágio nos países vizinhos", refere-se no mesmo documento.

No entanto, o FMI prevê que "a atividade económica na América Latina continuará o seu processo de recuperação", após a retoma da demanda interna de 2017, liderada principalmente pelo consumo, com o investimento finalmente a ganhar força.

"Projeta-se que a região como um todo cresça 1,6% em 2018 e 2,6% em 2019, acima dos 1,3% registados em 2017, mas abaixo das nossas projeções de abril (de 2018)", detalha aquele organismo.

Segundo o FMI "embora o crescimento (da América Latina) esteja a acelerar em alguns países, a recuperação tornou-se mais difícil para algumas das economias maiores, devido à interação das pressões do mercado a nível global, com vulnerabilidades específicas dos países, que as amplificaram".

No global, excluindo a Venezuela, a América Latina e as Caraíbas vão terminar 2018 com um crescimento de 2,3%.

A Argentina crescerá 0,4%, o Brasil 1,8%, o Chile 3,8%, a Colômbia 2,7%, o México 2,3% e o Peru 3,7% até finais de 2018.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.